Uma ode a Corpo Fechado

/, Coluna, Cultz, Dicas/Uma ode a Corpo Fechado

Corpo Fechado é um filme americano de 2000, escrito, produzido e dirigido por M. Night Shyamalan, estrelando Bruce Willis e Samuel L. Jackson. 

É um de meus filmes favoritos e é necessário assisti lo antes da estréia do super antecipado Glass(Vidro) neste mês.

Sempre falei aos meus amigos que gostaria de uma continuação, pois o diretor sempre quis continuar a saga de herói vs vilão deste filme. Mas, infelizmente o filme não foi tanto sucesso de bilheteira na época…. Embora depois encontrou seu público em Dvds, torrents e streams até hoje. Tanto que alguns o consideram como melhor filme do diretor (estou inclusa no meio).

Corpo Fechado é um filme a frente de seu tempo, de uma época em que os filmes de heróis eram poucos, e, de sucesso mesmo só Batmans e Supermans da vida. 

Shyamalan concebe então um filme adulto , interessante, introspectivo, sobre como seria se heróis existissem na vida real, e antes de pensarem nisso.

Antes de todos esses filmes de heróis que mais parecem filmes de criança, com tantas piadas, surgia o melhor filme de origem de um super herói (assim como o mais crível).

Pena que ele estava bem a frente de seu tempo!

Hoje em dia, filmes de heróis são tão comuns, que há praticamente um ao mês no cinema, mas nesta época era diferente, e, para piorar, o venderam como algo sobrenatural na época…. Caso de marketing falho.

Tarantino, um dos maiores diretores de nossa geração, o classificou como obra prima, dizendo que teria sido melhor se o tivessem vendido como um filme em que o Superman vive na Terra, mas não sabe que tem super poderes. 

Realmente teria sido bem melhor!

David Dunn, o único sobrevivente de um acidente de trem, conhece Elijah Price, que tenta convencê-lo que ele é como um super herói de histórias em quadrinhos. Com essa premissa simples é um filme original e sensacional.

Logo no início do filme temas a cena do vagão do trem com Bruce Willis (sua melhor atuação no cinema, em minha singela opinião) e vemos em pouco tempo várias informações sobre o personagem , tudo filmado em ângulos que nos remetem aos quadrinhos. Reparem no enquadramento da cena. É como se virássemos páginas de HQ!

O personagem principal fala , praticamente tudo sobre ele em uma única cena.

Também se estabelece, desde o inicio, a assinatura colorida que rodeia os personagens. 

Enquanto Dunn é cercado de vários tons de cinza, Elijah exibe tons diversos de Roxo (bem estilo Coringa de ser). 

Temos aí a famosa diferenciação de cores tão característica entre mocinho e vilão.

O diretor utiliza detalhe sutis que os remetem aos quadrinhos.

O filme também é uma aula sobre atuação. Nele há vários takes longos sem cortes, remontando os filmes antigos, em que os diálogos eram super valorizados. 

Neste filme cada cena, cada detalhe, nos diz muito sobre a trama.

Adoro o enquadramento que vira em cenas estratégicas como pré acidente no trem, antes do primeiro quadrinho do Vilão, antes do carregamento excessivo de peso, antes de Dunn carregar sua esposa a quarto…

Samuel Jackson também entrega, ao meu ver, sua melhor performance. E entrega sutilmente seu apelido durante o filme. Surge sempre em enquadramentos em vidro. Seja no reflexo de uma TV, seja no vidro de janela e/ou detalhe de sua bengala. Fazendo sempre uma performance arrebatadora. 

Adoro a cena da Galeria em que um pai quer comprar uma gravura para seu filho pequeno e Samuel recusa a venda o esculhambando e falando que aquilo é uma obra de arte (coisa que é comum hoje em dia, mas não era normal se ver em 2000). Até nisso o diretor estava a frente de seu tempo!

 Gosto de ver o super poder de Elijah também (já assisti o filme umas 20 vezes e descobir algo novo sempre, o filme segue bem, mesmo quase 20 anos depois) Elijah consegue fazer as pessoas confessarem seus segredos.

Ele parece ter o dom da palavra, o dom de influenciar os outros e nessa jornada, acaba fazendo Dunn descobrir seus próprios super poderes.

O filme tem 2 das melhores cenas que já vi no cinema. O  filho querendo atirar no pai, seguro que este não sofrerá nada, (me deixa tensa até agora). 

Que casting neste filme. Ator infantil incrível!

E na cena final, quando Dunn encosta na mão de seu arqui-inimigo e vê tudo que este fez. 

Bruce Willis nunca entregou uma performance tão boa quanto naquela cena. Quando Elijah fala que o super inimigo geralmente é amigo do herói, quase surtei no cinema e pensei: Como não percebi isso antes, Que revelação, senhoras e senhores!

O Terror no rosto de Dunn é quase palpável!!

O sofrimento de Dunn antes de descobrir seu propósito na vida, que se dissipa quando ele luta com o cara de laranja é totalmente compreensível. E a batalha dele na casa é uma das coisas mais motivacionais que você verá no cinema. Com o personagem utilizando seu uniforme de segurança como seu uniforme de herói. 

Fantástico!!!

Unbreakble é um de meus filmes favoritos. Tem cenas arrebatadoras. Daqueles filmes perfeitos, e tive que esperar quase 20 anos para ver sua sequência e falarei, na semana que vem, do filme que torno isso possível: SPLIT.

 

Texto da colunista Lorena Soeiro, nerd, professora e tradutora de língua inglesa, cosplayer, roqueira, leitora de ficção, apaixonada por séries e documentários, cinéfila. colecionadora e louca por Tim Burton.

@lorenasoeiro

 

2019-01-17T01:13:47+00:00