Um dos eventos mais importante da Acessibilidade mundial aconteceu no dia 24/09/2013, em Nova York, EUA. Os chefes de Estado e de Governo se reúnem para incluir as pessoas com deficiência nos objetivos do milênio até 2015 e além.

No planeta existem aproximadamente um bilhão de pessoas com alguma deficiência (80% delas encontram-se em países em desenvolvimento), foram deixadas de lado nos esforços para atingir as metas do milênio, estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000, com o apoio de 191 nações, e ficaram conhecidas como Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). São eles:


1 – Acabar com a fome e a miséria

 

2 – Oferecer educação básica de qualidade para todos

 

3 – Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

 

4 – Reduzir a mortalidade infantil

 

5 – Melhorar a saúde das gestantes

 

6 – Combater a AIDS, a malária e outras doenças.

 

7 – Garantir qualidade de vida e respeito ao meio ambiente

 

8 – Estabelecer parcerias para o desenvolvimento

 

Como representam 15% da população mundial (no Brasil quase 24%, de acordo com o censo 2010 do IBGE), os países se deram conta que as metas jamais seriam alcançadas se não houvesse a inclusão nos objetivos desta parcela da população, até porque historicamente as pessoas com deficiência formam um dos grupos mais vulneráveis e requerem medidas específicas visando sua inclusão e desenvolvimento.

 A ONU realizou uma pesquisa pela internet para ouvir sobre as dificuldades e sugestões de ações e como desenvolver melhores práticas de inclusão. Esta consulta foi feita também em português, única língua incluída além das oficiais da organização, além de ter ocorrido dois encontros regionais sobre o tema em São Paulo e em Salvador em 2013.

 Os Estados Partes da ONU firmarão um documento cuja versão preliminar pode ser vista abaixo, adaptado do texto original em inglês, assumindo o compromisso de envidar esforços para preencher esta lacuna.

 O Brasil já cumpriu o primeiro desafio, dando um passo no rumo da inclusão, aprovando a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência com equivalência a emenda constitucional em 2008. Agora resta implementá-la em cada artigo.

 Onu modified modified

 

Texto da ONU:

A/68/L.1

Distr : . Limitada

 

17 de setembro de 2013

 

68ª Assembleia Geral da ONU

 

Item 27 (b) da ordem do dia provisória *

Desenvolvimento social: o desenvolvimento social, incluindo questões relativas à situação social mundial e para a juventude, envelhecimento , pessoas com deficiência e da família.

 Projeto de resolução apresentado pelo Presidente da Assembleia Geral

 Documento final da reunião de alto nível da Assembleia Geral sobre a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e outras metas de desenvolvimento acordadas internacionalmente para pessoas com deficiência: o caminho a seguir, uma agenda de desenvolvimento deficiência inclusive para 2015 e além.

 

A Assembleia Geral adota o seguinte documento final:

 Documento final da reunião de alto nível da Assembleia Geral a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e outras metas de desenvolvimento acordadas internacionalmente para pessoas com deficiência: o caminho a seguir, uma agenda de desenvolvimento deficiência inclusive para 2015 e além.

 

I. Valores e princípios

 1. Nós, os Chefes de Estado e de Governo, reunidos na sede das Nações Unidas em Nova Iorque em 23 de Setembro de 2013 para reafirmar a nossa vontade de trabalhar juntos para o desenvolvimento de deficiência incluindo o compromisso da comunidade internacional para o avanço dos direitos de todas as pessoas com deficiência, que está profundamente enraizada nos objetivos da Carta das Nações Unidas e a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

 2. Reafirmamos a necessidade para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e outras metas de desenvolvimento acordadas internacionalmente para pessoas com deficiência em relação 2015 e mais além, e reconhecer as pessoas com deficiência, como agentes e beneficiários do desenvolvimento, reconhecendo o valor de sua contribuição geral bem-estar, o progresso e a diversidade da sociedade.

3. Estamos preocupados que este compromisso ainda não foi totalmente traduzido para a inclusão da deficiência nos objetivos de desenvolvimento acordados internacionalmente, incluindo os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, e em 2015 se aproxima, reiterar fortemente a nossa determinação em assegurar a realização atempada do Desenvolvimento do Milênio objetivos e outras metas de desenvolvimento acordadas internacionalmente para pessoas com deficiência, que compõem um estimado 15 por cento da população do mundo, ou um bilhão de pessoas, das quais cerca de 80 por cento vivem em países em desenvolvimento. Neste sentido, destacamos a importância de garantir a acessibilidade para e inclusão de pessoas com deficiência em todos os aspectos de desenvolvimento e de dar a devida atenção a todas as pessoas com deficiência no pós -2015 com a agenda de desenvolvimento emergente Nações Unidas.

 

II. Percebendo as metas de desenvolvimento para as pessoas com deficiência em relação 2015 e mais além

 4. Sublinhamos a necessidade de ação urgente de todos os atores relevantes para a adoção e implementação de estratégias mais ambiciosas incluído o desenvolvimento dos esforços com ações direcionadas, apoiados por uma maior cooperação e apoio internacional, e resolver para realizar os seguintes compromissos que levem a 2015 e além:

 (a) Alcançar a plena aplicação e execução do quadro normativo internacional sobre deficiência e desenvolvimento, incentivando a ratificação e implementação da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, e considerando-se a ratificação do seu Protocolo Facultativo, tanto como ser humano, com direitos e instrumentos de desenvolvimento;

 (b) Assegurar que todas as políticas de desenvolvimento, incluindo os relativos à erradicação da pobreza, inclusão social, emprego pleno e produtivo e do trabalho decente e acesso a serviços sociais básicos, e seus processos de tomada de decisão têm em conta as necessidades de e beneficiar a todas as pessoas com deficiência, incluindo mulheres, crianças, jovens, povos indígenas e idosos, que podem ser sujeitas a violência e múltiplas ou agravadas formas de discriminação;

 (c) Desenvolver planos específicos, incluindo , quando necessário, a aprovação ou alteração e aplicação da legislação nacional, a harmonização do legislativo nacional, políticas e estruturas institucionais, bem como a adopção e implementação de planos nacionais relevantes para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e outras metas acordadas internacionalmente para fazer avançar a inclusão de pessoas com deficiência;

 (d) reconhecer o direito à educação com base na igualdade de oportunidades e não discriminação, tornando acessível o ensino primário, obrigatório e gratuito, e disponível para todas as crianças com deficiência, em igualdade com os demais, garantindo que todas as crianças têm a mesma oportunidade de acesso a um sistema de boa qualidade, educação inclusiva e fazendo educação e secundário geralmente disponível e acessível a todos, em especial para as crianças com deficiência de famílias de baixa renda;

 (e) Garantir a acessibilidade para pessoas com deficiência a serviços de saúde, incluindo cuidados de saúde primários e serviços especializados, nomeadamente, através do investimento e melhorar a acessibilidade de tais serviços para pessoas com deficiência;

 (f) Reforçar a proteção social para atender as necessidades relacionadas com a deficiência e promover o acesso aos regimes relevantes com base em pisos de proteção social, em condições de igualdade com os outros, incluindo o apoio ao rendimento e acesso a serviços apropriados e acessíveis, dispositivos e outros atendimentos;

 (g) Incentivar os Estados-Membros a tomar medidas sustentáveis para garantir a igualdade de acesso ao emprego pleno e produtivo e do trabalho decente em condições de igualdade e sem discriminação às pessoas com deficiência, inclusive promovendo o acesso aos sistemas de ensino inclusivos, desenvolvimento de competências e de formação profissional e formação empresarial, a fim de permitir às pessoas com deficiência para atingir e manter o máximo de independência;

 (h) Garantir a acessibilidade, seguindo a abordagem de design universal, através da remoção de barreiras ao ambiente físico, transporte, emprego, educação, saúde, serviços, informações e dispositivos auxiliares, tais como informação e tecnologias de informação, incluindo em áreas remotas ou rurais, para alcançar o potencial máximo durante todo o ciclo de vida de pessoas com deficiência;

 (i) Melhorar a coleta de dados deficiência, análise e acompanhamento para o planejamento da política de desenvolvimento, implementação e avaliação , tendo plenamente em conta os contextos regionais, partes , se for caso disso , dados relevantes e estatísticas com agências e organismos relevantes dentro do sistema das Nações Unidas , incluindo Comissão de Estatística , através de mecanismos adequados, e sublinham a necessidade de dados comparáveis a nível internacional e as estatísticas desagregadas por sexo e idade , incluindo informação sobre a deficiência ;

 (j) Fortalecer e apoiar, em coordenação com instituições acadêmicas e outras partes interessadas, a pesquisa para promover o conhecimento e a compreensão da deficiência e desenvolvimento, e de forma adequada e eficiente alocação de recursos a este respeito;

 (k) Instar os Estados membros, o sistema das Nações Unidas e os atores humanitários, de acordo com seus mandatos relevantes para continuar a reforçar a integração e foco nas necessidades das pessoas com deficiência na programação humanitária e resposta, e incluem a acessibilidade e reabilitação como componentes essenciais em todos os aspectos e fases de resposta humanitária, nomeadamente, através do reforço de preparação e redução de risco de desastres;

 (l) Incentivar o aumento da compreensão, do conhecimento e de uma maior conscientização social sobre pessoas com deficiência, nomeadamente, através do desenvolvimento e implementação de campanhas de comunicação e mídia social, e em conjunto com pessoas com deficiência e as organizações de pessoas com deficiência, a fim de promover percepções positivas das pessoas com deficiência e procurar eliminar as barreiras sociais e atitudinais discriminatórias para que eles participem plenamente na sociedade;

 (m) Intensificar os esforços nacionais, inclusive com o apoio adequado da cooperação internacional, a pedido, que visa abordar os direitos e necessidades das mulheres e das crianças com deficiência e à realização dos objetivos e compromissos de desenvolvimento acordado internacionalmente relacionado com a igualdade de gênero e aos direitos da criança;

 (n) Encorajar os bancos de desenvolvimento regionais e internacionais e as instituições financeiras, de acordo com seus mandatos, para incluir a deficiência em todos os seus esforços de desenvolvimento e mecanismos de crédito, tendo em conta que as pessoas com deficiência são desproporcionalmente afetadas também durante as crises econômicas;

 (o) Incentivar a mobilização de recursos públicos e privados em uma base sustentável para a deficiência em desenvolvimento em todos os níveis, e salientam a necessidade de promover e fortalecer a cooperação internacional e a troca de boas práticas, incluindo regionais e sub-regionais, Sul-Sul e da cooperação triangular como um complemento para, em vez de um substituto para a cooperação Norte-Sul, além de parcerias para o desenvolvimento de deficiência, inclusive, em apoio aos esforços nacionais, nomeadamente, assegurando que os recursos, capacitação e assistência técnica, incluindo, facilitando o acesso ao e compartilhamento de tecnologias de acesso e de apoio e através da transferência de tecnologia em termos mutuamente acordados e outras intervenções, o avanço do desenvolvimento deficiência, inclusive, garantir a acessibilidade para pessoas com deficiência e promover o seu fortalecimento; especial atenção deve ser dada aos países em desenvolvimento que estão enfrentando crescentes dificuldades em mobilizar recursos adequados para atender às necessidades prementes de integração da deficiência no desenvolvimento, incluindo a reabilitação, habilitação, igualdade de oportunidades para pessoas com deficiência, promoção da saúde e campanhas de saúde pública para a prevenção de doenças e na abordagem de fatores de risco sociais, ambientais e de saúde, pela melhoria dos cuidados de saúde, acesso à vacinação, abastecimento de água potável e saneamento e transporte seguro;

 (p) Estimular entidades do setor privado com a parceria com o setor público e a sociedade civil, em particular, as organizações de pessoas com deficiência, de integrar, adotar e programar uma perspectiva da deficiência, de acordo com os planos nacionais, políticas e prioridades em sua responsabilidade social corporativa iniciativas de responsabilidade;

 (q ) Apoiar os objetivos da Parceria das Nações Unidas para a Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, inclusive por meio de contribuições voluntárias , e incentivar outras partes interessadas para fazê-lo.

 

III Acompanhamento do documento final da reunião de alto nível da Assembleia Geral sobre a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e outras metas de desenvolvimento acordadas internacionalmente para pessoas com deficiência. Caminho a seguir, um desenvolvimento deficiência incluído agenda para 2015 e além.

 5. Instamos o sistema das Nações Unidas, bem como os Estados-Membros para ficar envolvida na realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e outras metas de desenvolvimento acordadas internacionalmente para pessoas com deficiência em relação 2015 e mais além, e encorajar a comunidade internacional a aproveitar todas as oportunidades para incluir a deficiência como um tema transversal na agenda de desenvolvimento global, para dar a devida atenção à deficiência na agenda de desenvolvimento das nações emergente pós -2015, visando o aumento da cooperação, e para prestar assistência técnica relevante para os Estados-Membros a seu pedido.

 6. Apelamos ao Conselho Econômico e Social para dar a devida atenção à questão da deficiência e desenvolvimento, inclusive no âmbito das atividades operacionais das Nações Unidas, em conformidade com os mandatos relevantes, a fim de aumentar a conscientização e cooperação a todos os níveis, inclusive com a participação, se for o caso, de agências das Nações Unidas, bancos de desenvolvimento multilaterais e instituições, e outras partes interessadas, assegurando a coordenação e evitar possíveis sobreposições.

 7. Observamos o processo preparatório inclusivo para esta reunião de alto nível, incluindo as consultas on-line e regional.

 8. Solicitamos ao Secretário-Geral, em coordenação com todas as entidades relevantes das Nações Unidas, para incluir informações sobre os progressos realizados na implementação do presente documento final em seus relatórios periódicos existentes e já determinou sobre questões relativas à deficiência e desenvolvimento , e fazer recomendações , conforme o caso , por medidas concretas e após a implementação do presente documento final , no contexto da agenda de desenvolvimento para além de 2015 .

 9. Destacamos a importância de consultar estreitamente e envolver ativamente, conforme o caso, as pessoas com deficiência, inclusive por meio de suas organizações representativas, como os principais atores e interessados na elaboração, implementação e acompanhamento da agenda emergente para o desenvolvimento pós- 2015.

 

10. Solicitamos à Assembleia Geral para incluir na sua análise final sobre os progressos realizados para a consecução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio medidas tomadas para implementar o presente documento final. Solicitamos também o Presidente da Assembleia Geral, em seu septuagésimo sessão para acompanhar a situação e os progressos alcançados na realização dos objetivos de desenvolvimento para pessoas com deficiência.

Reunião na ONU inclui a Acessibilidade nos objetivos do milênio 1

Prédio da Nações Unidas