Uma das últimas lendas da era de ouro de Hollywood, a grande atriz Lauren Bacall, faleceu aos 89 anos, vítima de um AVC. A informação veio do Twitter do apresentador Thomas Roberts, da rede TV MSNBC dos EUA, e depois confirmada por uma fonte ligada a familiares e amigos de Bacall.

Vencedora de um Oscar em 2010 por sua obra, depois de ter sido indicada como coadjuvante em 1997 por O Espelho tem Duas Faces, Bacall era um dos rostos mais conhecidos e fotogênicos da chamada Era de Ouro de Hollywood, época dominada por cinco grandes estúdios de cinema (Paramount, Fox, Warner, Universal, MGM) que durou até meados dos anos 50.

Ao lado do grande ator, e lenda do cinema, Humphrey Bogart , viveu por 13 anos até a morte do ator, em 1957. Bacall despontou em Hollywood a partir de Uma Aventura na Martinica, de 1944, em que contracena com Bogart. Bacall imortalizou a figura de mulher forte, Femme Fatale, em filmes como o clássico noir À Beira do Abismo, de 1946.

A imagem de uma mulher forte e independente sempre acompanhou a carreira da atriz, até trabalhos atuais, como Dogville (2003) e Manderlay (2005), ambos de Lars von Trier. O último papel de Bacall foi como dubladora, em um episódio deste ano de Uma Família da Pesada.

Lauren Bacall morre aos 89 anos

Lauren Bacall, nome artístico de Betty Joan Perske, (Nova Iorque, 16 de setembro de 1924 — Nova Iorque, 12 de agosto de 2014) foi uma atriz norte-americana de cinema, teatro e televisão.

Conhecida por sua voz rouca e aparência sensual, ela tornou-se um ícone da moda e um modelo para a mulher moderna. Hoje ela é considerada uma atriz lendária, em parte devido a sua longevidade como atriz.
Ela é melhor conhecida por ser uma atriz importante do cinema noir em filmes como À Beira do Abismo (1946) e Prisioneiro do Passado (1947), bem como uma comediante, como visto no filme Como Agarrar um Milionário (1953).

Filha única de um casal de judeus, William Perske (um parente do ex-primeiro-ministro de Israel Shimon Peres, nascido na Polônia numa área que hoje faz parte da Bielorrússia) e Natalie Weinstein Bacal (que nasceu na Romênia com antepassados alemães). Seu pai era vendedor e sua mãe, secretária. Divorciaram-se quando ela tinha seis anos de idade.
Como resultado, a menina não mais viu seu pai e, por isso, formou uma forte ligação com sua mãe, a quem levou consigo para a Califórnia quando veio a se tornar uma estrela do cinema.

Bacall estudou dança durante treze anos. Ela então teve aulas de interpretação na Academia Americana de Artes Dramáticas. Durante esse tempo, tornou-se atendente de teatro, e trabalhou como modelo de moda.
Como Betty Bacall, fez sua estreia como atriz na Broadway em 1942, na peça Johnny Two By Four. Naquela época seu ídolo era Bette Davis. De acordo com sua autobiografia, ela teve a oportunidade de se encontrar com Bette Davis em seu hotel. Anos depois, Davis visitaria o camarim de Bacall para felicitá-la por sua performance como Margo Channing em Applause, um musical baseado na performance de Davis em A Malvada (1950).

Bacall começou a carreira de modelo em tempo parcial. Isso foi quando, pela primeira vez, teve experiência com o anti-semitismo. Mais tarde, ela foi para Hollywood, e o diretor Howard Hawks teria feito comentários anti-semíticos. Isto a deixou preocupada em revelar sua identidade e ela jamais deixou que Hawks soubesse que ela era judia.

Bacall havia projetado uma carreira no palco para si mesma, mas por puro acaso entrou no mundo do cinema. A mulher de Howard Hawks, Slim Keith, notou Bacall numa capa da revista Harper’s Bazaar, mostrou a foto ao marido, e este fez um telefonema para Nova York a fim de trazê-la para Hollywood para um teste. Hawks teria usado o apelido “Slim” para a personagem de Bacall no seu primeiro filme.

Não gostando do nome Betty, Hawks trocou o nome dela para Lauren. Ele fez vários testes com ela e então a escalou para seu projeto seguinte Uma Aventura na Martinica (1944). Ela ficava nervosa na frente da câmera, então Hawks sugeriu que ela inclinasse sua cabeça e puxasse seu cabelo para um dos lados do seu rosto. Ela pressionou seu queixo contra o peito, e então dirigiu os olhos para cima de modo a poder olhar para a câmera. Esse efeito veio a deixá-la conhecida como The Look, a marca registrada de Bacall.
Ela encontrou Humphrey Bogart nos estúdios de filmagem de Uma Aventura na Martinica, que na época era casado com Mayo Methot. Passaram a se relacionar dentro do set das filmagens; dentro de algumas semanas, eles começaram a se encontrar fora dos estúdios. Depois do divórcio de Bogart, casaram-se e tiveram filhos. O filme levou-a a um estrelato instantâneo. Sua participação foi mais tarde considerada uma das mais impactantes estreias na história do cinema.

Então com 20 anos, Bacall ganhou manchetes nos jornais do mundo inteiro. Quando da visita ao National Press Club em Washington, D.C. em 10 de fevereiro de 1945, seu assessor de imprensa (Charlie Enfield, chefe da publicidade da Warner Brothers) pediu para ela se sentar no piano que estava sendo tocado pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Harry Truman. As fotos do incidente causaram um escândalo.
Depois de Uma Aventura na Martinica, Bacall apareceu com Bogart no suspense À Beira do Abismo(1946), no thriller Dark Passage (1947), e no suspense melodramático de John Huston, Paixões em Fúria (1948).
Por sua participação em O Espelho tem Duas Faces, foi indicada para o Oscar de melhor atriz (coadjuvante/secundária), em 1996, e recebeu o Globo de Ouro por este trabalho.