Em 10 de abril, o Brasil se tornou o primeiro país a aprovar o uso comercial de insetos geneticamente modificados destinados a controlar a propagação da dengue.

A dengue afeta mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano e pode ser mortal. Agora, a empresa de biotecnologia Oxitec de Oxford, Reino Unido, geneticamente alteraram machos da espécie Aedes aegypti , para que seus filhos morrem antes de atingir a maturidade. Se os machos transgênicos liberados acasalarem com fêmeas suficientes , um acidente populacional deve acontecer, reduzindo drasticamente a chance de passar o vírus da dengue aos seres humanos.

Os testes de campo de controle de insetos acontecem há algum tempo, incluindo um teste recente de mosquitos da Oxitec na cidade brasileira de Jacobina , onde as populações de mosquitos cairam 79 por cento , entre junho e dezembro do ano passado. Nos EUA, onde a dengue começou recentemente a reaparecer , os insetos esperam a aprovação do Food and Drug Administration.

Thomas Scott, um entomologista da Universidade da Califórnia, em Davis, diz que os mosquitos geneticamente modificados poderiam ajudar , mas que o principal problema com o controle da dengue é que o método tradicional de pulverização de inseticida muitas vezes não é feito corretamente. “Se você olhar para áreas mais endêmicas , as pessoas não estão fazendo o controle das larvas completamente”, diz ele . “No momento em que alguém está doente, o vírus se propaga muito além dos 100 metros da área de pulverização da casa. “

Cobrindo um país do tamanho do Brasil com os mosquitos transgênicos seria proibitivamente caro, acrescenta. Mas para o controle alvejado na escala de cidades e pequenas cidades, os insetos modificados poderia revelar-se uma ferramenta útil.

Brasil aprova o uso de mosquitos modificados geneticamente para combater a Dengue