Os paper toys existem há vários séculos, nascendo com a arte dos Origami (or-i-GA-me). A palavra baseada nas palavras Japonesa Ori (dobrar) e Kami (papel).

Os paper toys do presente existem por todo o mundo criados por designers gráficos que buscam mais suportes para aplicar as suas criações.

Os paper toys são urbanos mas não só, recriam personalidades conhecidas e fazem nascer da imaginação dos seus criadores personagens novas, sejam pessoas, animais, seres alienados, a imaginação é o limite…

O PaperFreak desta semana é o homem mais rápido do mundo, o Flash…Bom divertimento!

Clique aqui para baixar seu PaperFreak :PaperFreak da semana – Flash

PaperFreak da semana - The Flash 1

Flash da Era de Prata dos Quadrinhos

Em 1956, DC Comics obteve sucesso revivendo super-heróis, o que ficou conhecido como a Era de Prata dos Quadrinhos. Ao contrário de tentar trazer de volta os mesmo heróis da Era de Ouro, como tentou sem sucesso Atlas Comics, DC reimaginou-os como novos personagens para a época presente. O Flash foi o primeiro a ser retomado em Showcase #4 (Outubro de 1956).

Este novo Flash foi Barry Allen, um funcionário da polícia científica que ganhou seus poderes após sofrer um acidente sendo banhado por produtos químicos após seu laboratório ser atingido por um raio. Ele adotou o nome de Flash depois de ler uma história em quadrinhos sobre o Flash da Era de Ouro. Depois de diversas aparições em Showcase, Allen recebeu seu próprio título, The Flash, cuja primeira edição foi a de número #105 (número onde Flash Comics havia parado).

O Flash da Era de Prata mostrou-se popular o bastante e muitos outros heróis da Era de Ouro foram revividos em novas encarnações. Um novo grupo de super-heróis, a Liga da Justiça da América, foi também criado, com Flash como um dos membros fundadores.

Flash da Era Moderna

O terceiro Flash foi Wally West, que foi introduzido em Flash #110 (1959) como Kid Flash. West, sobrinho da esposa de Allen, ganhou os poderes de Flash devido a um acidente idêntico ao de Allen. Adotando a identidade de Kid Flash, ele manteve-se membro dos Jovens Titãs por anos. Após a morte de Allen, West adotou a identidade de Flash em Crise nas Infinitas Terras #12 e recebeu sua própria série, começando com The Flash vol.2, #1 em 1987.

Devido a Crise Infinita e o pulo no tempo, “Um Ano Depois”, no Universo DC, DC cancelou The Flash vol. 2, em Janeiro de 2006 em #230. Uma nova série, The Flash: The Fastest Man Alive, começou em 21 de Junho de 2006. Escrito por Danny Bilson e Paul De Meo e desenhada por Ken Lashley, esta série revela o neto de Barry, Bart Allen como herdeiro de seu manto.

Flash: Fastest Man Alive foi recentemente cancelado em seu número #13. Em seu lugar The Flash (vol.2) será revivido em seu número 231. Mark Waid escreveu parcialmente a série, bem como um All-Flash especial que precedeu este retorno.

As aventuras da família West foram momentaneamente concluídas na revista The Flash vol. 2, que foi encerrada com o número 247 em 2009.

Em abril de 2009, Geoff Johns e Ethan Vansciver iniciam a saga Flash Rebirth que deve consolidar o retorno de Barry Allen como o Flash, além de definir a situação dos outros velocistas do Universo DC.

Barry Allen

O segundo Flash foi criado dezesseis anos após a primeira versão, desta vez pelas mãos de Gardner Fox e Carmine Infantino.

Sua estréia, na revista Showcase 16, marca o início da Era de Prata dos Quadrinhos, quando todos os personagens da DC foram re-inventados a partir do zero, como se nada tivesse existido antes.

Barry Allen era funcionário da polícia científica, quando sofreu um acidente químico, sendo banhado por produtos químicos após seu laboratório ser atingido por um raio. Esse acidente fez que ele, assim como Flash Jay Garrick, fosse capaz de acessar e canalizar o poder vindo do “Campo de Velocidade”, sendo, a partir desse momento, capaz de correr em velocidades altíssimas.

Barry então decidiu se tornar um super-herói. Deu-se o nome de “Flash”, vestiu uma máscara e um uniforme colante vermelho e passou à patrulhar Central City.

Mais tarde, se uniria à outros quatro heróis para formar a primeira versão da Liga da Justiça. Os quatro heróis eram Ajax, o Marciano (atualmente conhecido apenas como “Caçador de Marte”); O Lanterna Verde da Era de Prata, Hal Jordan; Aquaman; A segunda Canário Negro, Dinah Lance, filha da Canário Negro original, que fazia parte da Sociedade da Justiça, grupo que havia inspirado a equipe.

Barry se tornaria um herói muito popular. Seu sobrinho, Wally West, viria à se tornar o Kid Flash, após passar por um acidente semelhante ao de Barry.

Barry também viria à se encontrar um Flash de outra dimensão, chamado Jay Garrick (é, o mesmo do qual você leu acima). Isso, mais tarde, levaria à criação de diversos universos paralelos na DC Comics, cada um com seus próprios super-heróis. Para você entender um pouco da situação, apenas imagine que existiam vários diferentes “Superman”, cada um numa dimensão diferente. Existia o Superman da Era de Ouro que havia envelhecido, o Superman jovem, que ainda namorava Lois Lane, o Superman vilão.

Toda essa confusão levaria à Crise nas Infinitas Terras, um dos maiores épicos da história dos quadrinhos, aonde Barry se sacrifica no final, para acabar com o Anti-Monitor, vilão responsável por toda a devastação que ocorria no universo.

Após a Crise, o Universo DC foi novamente “resetado”, como um universo coeso. Muitos personagens ganharam novas origens, mas Barry continuou “existindo”, e seu manto foi passado para Wally West, que, desse instante em diante, se tornaria o novo Flash, seguindo o legado de seu falecido tio.

Na saga Crise Final Barry Allen retorna para lutar contra o mal. Nesta história concebida por Grant Morrisson, Barry e Wally correm do Corredor Negro (a personificação da morte de acordo com os conceitos criados por Jack “O Rei” Kirby para o Quarto Mundo) guiando-o até Darkseid, tendo como real objetivo derrotar o vilão.

As novas aventuras de Barry Allen serão escritas por Geoff Johns e desenhadas por Ethan Vansciver na revista Flash: Rebirth que tem data de lançamento anunciada para Abril/2009.

Wally West

Wally West era apenas o sobrinho de Barry Allen. Até sofrer um acidente com os mesmo produtos químicos que haviam transformado seu tio num herói. Ele morava e agia numa cidade diferente da de Barry. Enquanto o tio vivia em Central City, Wally era estudante em Blue Valley ou Vale Azul.

Wally, então, inspirado pelo seu tio, decidiu se tornar o Kid Flash. Ele iria, junto com vários outros “parceiros mirins” formar os Novos Titãs. Moça-Maravilha, Robin, Aqualad, Ricardito e Kid Flash formariam uma equipe que até hoje tem milhares de fãs.

Na saga Crise nas Infinitas Terras seu tio, Barry Allen, morre. O jovem Wally West, mesmo preocupado se estaria à altura do Legado do Flash, aceitou o manto de seu tio e se tornou o novo Flash.

Wally começou a fazer parte da Liga da Justiça, mas sem nunca deixar convívio com os amigos os Titãs.

No começo, Wally não era tão veloz quanto seu tio, sendo capaz “apenas” de quebrar a barreira do som, e não a da luz, como seu tio.

Mas, durante a clássica fase de Mark Waid, Wally conseguiu atingir novos limites, ganhando poderes ainda maiores, sendo capaz de não só quebrar a barreira da luz, como ser ainda mais rápido que isso. Isso se deve a descoberta da “força de aceleração”, o campo de energia responsável pela velocidade de todos os Flashes e da qual eles passam a fazer parte se morrem após ultrapassar a velocidade da luz. Nessa fase, aprendeu também não apenas como transferir energia cinética a outros objetos e pessoas, como também a roubá-la. Essas habilidades passaram a ser utilizadas também por Jay Garrick.

Recentemente, encerrou-se a excelente fase do personagem escrita por Geoff Johns, que revitalizou o título, utilizando de forma mais do que competente a extensa galeria de vilões do Flash.

Na conclusão do arco de história “Rogue War”, o Flash tornou-se pai de gêmeos, que podem ou não ter herdado a velocidade do pai.

Na maxi-série “Crise Infinita”, o Superboy da Terra Prime, último sobrevivente de um universo destruído durante a Crise nas Infinitas Terras, enlouquecido por não poder ter uma vida que, de seu ponto de vista, deveria ser sua, estava espancando o Superboy Kon-El e os Novos Titãs, a Sociedade da Justiça e a Patrulha do Destino foram chamados ao local para detê-lo. Um verdadeiro massacre teve início, culminando na morte dos titãs Pantha, Bushido e Bebê Gnu, entre outros.

Quando tudo parecia perdido, Wally West, Bart Allen e Jay Garrick, Flashes de três gerações, correndo em supervelocidade, carregaram o Superboy da Terra Prime com velocidades cada vez maiores para que ele fosse absorvido pela força de aceleração. Os tendões de Jay se romperam e ele não pôde continuar, cabendo a Wally e Bart a tarefa de derrotá-lo. Ao ultrapassar a barreira da luz, Wally foi convertido em energia e foi até seu apartamento se despedir de sua esposa, Linda Park, e seus filhos. Linda porém não o deixou partir sozinho, beijando seus lábios uma última vez e dizendo: “Aonde quer que você vá…sua família vai com você”. Todos desapareceram da existência e, ao contrário do esperado, não foram absorvidos pela força de aceleração. Segundo Wally, ele estava sendo puxado a “outro lugar”.

Depois disso, Bart Allen, neto de Barry Allen que se tornou Flash IV é morto devido uma pane em seus poderes enquanto lutava contra a galeria de vilões, manipulados por Inércia. Posteriormente, revela-se que a pane nos poderes de Bart é decorrente da ação da Legião dos Super-Heróis que tentam trazer um velocista para o presente alegando que o mesmo seria instrumental para derrotar ameças futuras. Ao final da Saga do Relâmpago, a Legião volta para o futuro com Brainiac 5 levando um bastão semelhante a um pára-raio que aparentemente pode ter armazenada a essência da Força da Aceleração ou mesmo a “alma” de um velocista.

O Flash Wally West e sua família, retornam de outra dimensão. Ao ser comunicado do que havia ocorrido com Bart, o Flash corre para vingar a morte do seu primo e dá cabo de todos os vilões, ao passo que Inércia, o mentor do ataque, foge em super-velocidade. Furioso, West ataca Inércia espancando-o. Quando o vilão parece estar rendido ele olha Wally e diz: – Ele gritou! Gritou como uma cadela!!!! – Referindo-se a Bart.

O Flash quase não resiste a matar o inimigo, mas inflige ao mesmo um castigo muito pior. Ele rouba a velocidade de Inércia, mantendo o vilão vivo praticamente congelado no tempo, servindo como estátua no Museu do Flash onde Inércia permaneceria olhando para o monumento em homenagem a Bart Allen. Posteriormente na saga Crise Final: Vingança dos Vilões, Inércia seria libertado e morto.

Durante a saga Crise Final: Legião de Três Mundos, sob a orientação de três Brainiac 5 e o apoio de três Relâmpagos, duas Moça Relâmpagos e uma Pluma de terras alternativas, a neta de Barry Allen e prima de Bart, XS (Jenni Ognats) utiliza a esteira cósmica acoplada ao bastão levado por Brainiac 5 na Saga do Relâmpago para correndo à velocidade da luz e conseguir aumentar seu contato com a Força da Aceleração e trazer Bart Allen de volta à vida para lutar contra o Superboy Prime.

Na série animada Liga da Justiça, Wally interpreta o Flash.

Série de Tv de 2014:

A Warner está apostando muito nos super heróis da DC Comics, braço da empresa responsável pelos quadrinhos. Depois do sucesso da série Arrow, que foca no início da carreira do Arqueiro Verde, baseada nos princípios estabelecidos para os heróis da DC pela trilogia de Christopher Nolan, O Cavaleiro das Trevas, vários projetos de séries foram apresentados e tantos outros personagens do universo DC foram introduzidos em Arrow.

Na série Flash, Barry Allen é um assistente da polícia forense de Central City que enfrenta meta-humanos com ajuda de cientistas dos laboratórios S.T.A.R.

Grant Gustin é Barry Allen, no sucesso da CW Flash.

 

PaperFreak da semana - The Flash 2