Paperfreak da semana – HAL 9000

/, Cultz, Paperfreak/Paperfreak da semana – HAL 9000

Os paper toys existem há vários séculos, nascendo com a arte dos Origami (or-i-GA-me). A palavra baseada nas palavras Japonesa Ori(dobrar) e Kami (papel).O Cinefreak tem sua versão, são os PaperFreak.

Os paper toys do presente existem por todo o mundo criados por designers gráficos que buscam mais suportes para aplicar as suas criações.

Os paper toys são urbanos mas não só, recriam personalidades conhecidas e fazem nascer da imaginação dos seus criadores personagens novas, sejam pessoas, animais, seres alienados, a imaginação é o limite…

O PaperFreak desta semana é o computador mais famoso do cinema, o Hal 9000…Bom divertimento!…

PaperFreak da semana: Paperfreak da semana – HAL9000

Paperfreak da semana - HAL9000

HAL 9000 (Heuristically programmed ALgorithmic computer, ou Computador Algorítmico Heuristicamente Programado em tradução livre) é um personagem ficcional da série Odisséia Espacial, de Arthur C. Clarke, e foi imortalizado pela adaptação cinematográfica feita por Stanley Kubrick do primeiro volume da mesma, 2001: A Space Odyssey, de 1968.

Na trama, HAL é um computador com avançada inteligência artificial, instalado a bordo da nave espacial Discovery e responsável por todo seu funcionamento. No filme, é representado por câmeras distribuídas através da nave, sendo sua voz dublada pelo ator canadense Douglas Rain.

HAL tornou-se operacional na usina HAL situada em Urbana, Illinois no dia 12 de janeiro de 1992 (no romance de Clarke, entretanto, é mencionado o ano de 1997) e foi criado pelo indiano Dr. Sivasubramanian Chandrasegarampillai, ou simplesmente Dr. Chandra (no filme o cientista que o cria é o Dr. Langley, que na vida real designa o centro de pesquisa onde foi desenvolvido o primeiro computador acoplado a um sintetizador de voz, em 1962, tecnologia que permite a HAL falar). HAL é ilustrado como sendo capaz de falar naturalmente, realizar reconhecimento facial e vocálico, fazer leitura labial, apreciar manifestações artísticas, interpretar emoções, raciocinar, expressar emoções (inclusive medo) e jogar xadrez.

Na tradução do filme para outras línguas, HAL foi batizado diferentemente. Em francês, por exemplo, foi chamado de CARL (Cerveau Analytique de Recherche et de Liaison); entretanto, nas famosas plaquetas das câmeras, seu nome original foi mantido.

Algumas fontes afirmam que o nome HAL deriva de IBM. De fato, cada letra de HAL é exatamente uma anterior, alfabeticamente, às letras de IBM. Entretanto o autor sempre negou essa informação. “Teríamos mudado o nome se tivéssemos percebido a coincidência”, escreveu Clarke em seu livro The Lost Words of 2001, citando ainda o apoio que a empresa deu durante as filmagens.

2018-05-07T02:17:57+00:00