Cláudio Marzo, um dos melhores atores da teledramaturgia e do cinema brasileiro,  morreu às 5h39 deste domingo, 22/03/2015, aos 74 anos, na Clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio

O ator nasceu no dia 26 de setembro de 1940, em São Paulo, filho de uma família de operários e descendente de italianos. O ator abandonou os estudos aos 17 anos para trabalhar como figurante na TV Paulista. Depois, foi contratado pela TV Tupi.

Marzo estava internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) com quadro de pneumonia desde o dia 4 de março deste ano.

O ator também foi internado no dia 8 de fevereiro devido a um quadro infeccioso, associado à insuficiência renal e a um enfisema descompensado, informou o boletim médico divulgado pelo Dr. João Manuel Pedroso, clínico geral e cardiologista do ator.

No dia 28 de dezembro de 2014, Cláudio foi internado no CTI do mesmo hospital com um arritmia cardíaca e pneumonia, mas recebeu alta médica no dia 31 de dezembro e pôde passar a virada do ano em casa.

Carreira

Marzo tinha 25 anos quando recebeu o convite para trabalhar na TV Globo. Ele morava em São Paulo e fazia parte do Grupo Oficina. Ele ainda atuava como dublador da série americana “Mr. Novac”. Foi quando se mudou para o Rio e assinou contrato. Ele fez parte do primeiro grupo de atores contratados pela Globo, inaugurada em 26 de abril de 1965.

“Por coincidência, a Globo tinha comprado esses filmes que eu dublava. Então, já contratado, eu continuava em São Paulo, até terminar as dublagens. Queria ter vindo antes, estava doido para vir para o Rio”, lembrou o ator, em depoimento ao site Memória Globo.

Foi por conta desse pequeno atraso que o ator acabou escalado não para a primeira, mas para a segunda novela da emissora no horário das 19h. Era “A Moreninha”, de Graça Mello, com 35 capítulos.

O ator participou de várias novelas nos anos 1960, sendo “Véu de Noiva” um de seus momentos mais marcantes. Ele atuou ao lado de Regina Duarte, na trama de Janete Clair. A novela é considerada importante por ter sido uma resposta à tendência iniciada por “Beto Rockfeller”, exibida pela TV Tupi. Foi ainda a primeira a ganhar uma trilha sonora original, com músicas escolhidas por Nelson Motta.

O par romântico Marzo e Regina Duarte no gosto popular. E voltou a ser escalado em “Irmãos Coragem”, de Janete Clair, produzida em 1970. Na trama, o ator viveu um dos irmãos Coragem, Duda, um craque dos campos de futebol. Foi mais um sucesso de público.

“Minha doce namorada”, de 1971, e “Carinhoso”, de 1973, trouxeram de volta Cláudio Marzo e Regina Duarte. Na década seguinte, participou de produções que marcariam a carreira. Em “Brilhante”, novela de Gilberto Braga exibida em 1981, interpretou o motorista Carlos, que vivia romance com a patroa, Chica Newman, interpretada por Fernanda Montenegro.

Marzo também participou de duas novelas na extinta TV Manchete. Ele esteve em “Kananga do Japão”, de Wilson Aguiar Filho, em 1989; e “Pantanal”, de Benedito Ruy Barbosa, no ano seguinte. A carreira de Marzo também inclui trabalhos no cinema. Foram 35 longas-metragens, com destaque para “O Homem Nu”, dirigido por Hugo Carvana, com roteiro de Fernando Sabino, em 1990.

De volta à Globo em 1993, atuou em “Fera Ferida”, de Walther Negrão, no papel do coveiro Orestes Fronteira. Dois anos depois, foi convidado para participar do remake de “Irmãos Coragem”, dessa vez vivendo o poderoso coronel Pedro Barros, justamente quem perseguia a família Coragem. Em 2007, na Globo, atuou na novela “Desejo Proibido”, de Walther Negrão, e na minissérie “Amazônia – De Galvez a Chico Mendes”, de Gloria Perez, no papel de Ramalho Jr, ex-governador do Acre.

O último trabalho na Globo foi no seriado “Guerra e Paz”, em 2008. O ator interpretou o capitão Guerra.

CM