O diretor de cinema japonês Seijun Suzuki morreu no último dia 13 devido a uma doença pulmonar crônica, aos 93 anos, mas a confirmação de sua morte só foi publicada nesta quarta-feira, 22/02/2017, pela emissora pública japonesa NHK.

Suzuki ficou conhecido por dirigir filmes como Tóquio Violenta (1966) e Branded to Kill (1967), e teve seu estilo visual como inspiração para diretores como Quentin Tarantino e Jim Jarmusch.

Nascido em 1923 com o nome Seitaro Suzuki, o cineasta só começou sua carreira após lutar na Segunda Guerra Mundial, como diretor assistente na Shochiku Company.

Em 1954 mudou para o estúdio Nikkatsu e adotou o pseudônimo de Seijun.

No novo estúdio produziu cerca de 40 filmes em 12 anos, mas acabou sendo demitido por que o presidente do estúdio, Kyusaku Hori, porque “seus filmes eram incompreensíveis” e que “o estúdio não poderia bancar longas ruins que eram compreendidos por uma audiência seleta”.

As declarações e a demissão levaram Suzuki a uma briga judicial com a Nikkatsu e Hori, que se arrastou por dez anos e colocou o cineasta em uma lista negra, afastando-o da direção de filmes por dez anos.

Seu último filme antes desse hiato, Branded to Kill, é considerado por muitos o maior de sua carreira.

Após uma década produzindo comerciais e filmes para a TV, Suzuki voltou ao estrelato com Zigeunerweisen (1980), escolhido como melhor filmes japonês dos anos 1980 e nomeado com uma menção especial do juri no Festival de Berlim.