Cientistas  da Universidade Wits, em Johanesburgo, África do Sul, conectaram um cérebro humano diretamente à internet, em tempo real e os dados recolhidos ajudarão no desenvolvimento da tecnologia de aprendizagem de máquina e interfaces cérebro com o computador.

O projeto foi apelidado de “Brainternet”, e essencialmente transforma o cérebro em uma “Internet das Coisas” (uma rede de objetos físicos conectados), dentro da rede WWW mundial.

Cientistas conectam cérebro humano à internet pela primeira vez 5

O Brainternet funciona usando sinais de eletroencefalografia (EEG) de ondas cerebrais reunidos por um dispositivo conectado à cabeça do usuário.

Os sinais são então transmitidos para um computador Raspberry Pi de baixo custo, que os comunica para uma interface de aplicativos, exibindo-os em um site aberto onde qualquer pessoa pode visualizar a atividade.

O projeto faz isso através do monitoramento contínuo da atividade cerebral, além de possibilitar alguma interatividade”, explicou Adam Pantanowitz, professor da Escola de Engenheira da Informação e Elétrica na Universidade Wits e supervisor do projeto.

Os próximos passos do estudo giram em torno de permitir uma experiência mais interativa entre o usuário e seu cérebro.

Algumas dessas funcionalidades já foram incorporadas no site, mas as opções são limitadas ao estímulo, como o movimento do braço.

No futuro, poderia haver informações transferidas em ambas as direções, com entradas e saídas.

Além das aplicações na aprendizagem de máquinas e em interfaces cérebro-computador, como Neural Lace e Kernel, os dados coletados neste projeto podem levar a uma melhor compreensão de como nossas mentes funcionam e como podemos aproveitar esse conhecimento para aumentar nosso poder cerebral.

Cientistas conectam cérebro humano à internet pela primeira vez 6