Morreu no Rio a atriz Ilka Soares. Ela estava internada havia dez dias na Clínica São Vicente, na Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e passava por um tratamento contra um câncer de pulmão. Ela tinha 89 anos.

Nascida na capital fluminense, ela atuou em filmes, novelas, teatro e também apresentou programas.

Ilka estreou no cinema aos 17 anos, no filme Iracema, dirigido por Vittorio Cardineli. Foi casada com o ator Anselmo Duarte, com quem atuou nos filmes Maior que o Ódio (1951), de José Carlos Burle, Carnaval em Marte (1955), de Watson Macedo, e Depois eu Conto (1956), que os dois diretores assinaram juntos.

Em 1953, ainda ao lado de Anselmo Duarte, iniciou sua carreira na televisão, atuando em esquetes da TV Record. Nessa época, trabalhava também no rádio, além de participar de desfiles de moda.

No programa Noite de Gala, da TV Rio, apresentado por ela, foi premiada como a melhor “certinha” de 1958, segundo eleição realizada por Stanislaw Ponte Preta em sua coluna semanal no jornal Última Hora. A lista reunia as mulheres mais bonitas do ano.

Na TV Tupi, participou do programa O Céu é o Limite, como assistente do apresentador J. Silvestre.

Na TV Globo, Ilka estreou em 1966, substituindo Norma Bengell na apresentação do programa Noite de Gala. Ela também trabalhou como locutora no Jornal de Verdade, de 1968.

Ela atuou em novelas como O Cafona (1971), Bandeira 2 (1971), O Bofe (1972), O Espigão (1974), Anjo Mau (primeira versão – 1976), Elas por elas (1982), Champagne (1983), Mandala (1987) e Rainha da Sucata (1990), entre outras.

Ilka Soares também foi casada com o ex-diretor-geral da Globo Walter Clark.