Meredith Perry, uma americana de 25 anos, estudante de astrobiologia na Universidade da Pennsylvania, queria encontrar vida em outros planetas, mas acabou inventando algo tão empolgante quanto encontrar ETs. Meredith desenvolveu um método de recarregar portáteis como celulares e laptops sem fio, por ultrassom.

Meredith criou uma tecnologia que converte eletricidade em som, através do ar, por meio de ultrassom, e um receptor ligado ao aparelho capta o som e o converte novamente em energia elétrica, possibilitando que um dispositivo seja recarregado constantemente, sem estar plugado em qualquer tomada.

A empresa em que Meredith trabalha, uBeam, anunciou que a partir de um protótipo, criado para uma competição universitária, construíra um protótipo funcional que agora a empresa planeja levar até o consumidor.

As estações de recarga da uBeam serão finas, com menos de 0,5 cm de espessura, podendo ser colados em paredes ou adaptados para fazer parte da decoração de uma casa, e smartphones e laptops seriam equipados com os receptores para recarga.

04-perry-w352

A tecnologia também poderia trazer mudanças significativas em como os dispositivos são projetados: os aparelhos que funcionam com o uBeam poderiam ter baterias menores, já que são alimentados constantemente. A tecnologia de bateria praticamente não mudou nas últimas décadas, com fabricantes valendo-se de melhorias pequenas na capacidade da bateria e na eficiência energética dos eletrônicos.

O equipamento de recarga uBeam deve estar nas prateleiras dentro dos próximos dois anos, na forma de dois produtos a princípio. Um para lugares pequenos, como casas e escritórios; e outro para estádios, aeroportos e salões de conferência.

A tecnologia também pode ser usada para transmitir dados de maneira segura, anunciou a empresa. Isso significa que produtos da uBeam poderiam ser usados por objetos da chamada internet das coisas.

Mas há limitações para a capacidade da uBeam, como a incapacidade de transmitir as ondas através de paredes. Isso significa que, diferentemente de pontos de wi-fi, em que um simples dispositivo pode conectar à internet toda uma casa ou um pequeno escritório, usuários da uBeam teriam de comprar transmissores para cada cômodo, encarecendo o processo.

A empresa aguarda a aprovação de 18 patentes de que pediu registro no USPTO (escritório de propriedade intelectual dos EUA), sobre recarga sem fio e ultrassom. Também está fechando uma rodada de financiamento, em adição a outro US$ 1,7 milhão que recebeu de Marissa Mayer, executiva-chefe do Yahoo!, do Funders Fund e de Andreessen Horowitz.

Tecnologia de recarga sem fio chegou há anos, mas as pessoas têm sido lentas em adotá-la. Mas a uBeam diz que isso vai mudar, já que sua tecnologia transmite por distâncias superiores e a empresa pretende espalhar seus transmissores em muitos lugares movimentados.