De 20 a 27 de março de 2014 os paulistanos poderão conferir longas, médias e curtas metragens focados na temática ambiental, oriundos de mais de 30 países, grande parte deles inéditos no Brasil, na 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental .

Os filmes, classificados nas temáticas cidades, campo, economia, energia e povos e lugares, abordam questões como energia nuclear; o uso de animais como cobaias; organismos geneticamente modificados; urbanismo e a vida nas grandes cidades; extração de recursos naturais por grandes corporações e suas consequências para o meio ambiente e para comunidades; localidades remotas e a dificuldade cada vez mais premente de manter tradições junto às novas gerações que querem ganhar o mundo e frente aos dilemas impostos pelas transformações do meio ambiente.

A abertura acontece no dia 20 de março, com a exibição do filme “Blackfish – Fúria Animal”, um dos destaques da Mostra, no Reserva Cultural às 20h30, que será lançado em DVD e Blu Ray no Brasil pela Paramount. A Mostra traz a oportunidade de assistir na telona o polêmico filme que conta a história de Tilikum, a principal baleia orca do parque temático SeaWorld, em Orlando, nos EUA, responsável pela morte de três pessoas.

Outros destaques da Mostra Contemporânea estão os documentários “Sinfonia do Solo” de Deborah Koons Garcia, viúva de Jerry Garcia do grupo Grateful Dead, “Figurões” (Big Men) de Rachel Boyntontem e produção executiva de Brad Pitt, inédito no Brasil, “A Síndrome de Veneza” de Andreas Pichle, entre outros. Os filmes de ficção também estão presentes, entre eles “Terra da Esperança” de Sion Sono, primeiro longa-metragem de ficção japonês inspirado no desastre nuclear de Fukushima, e “A Quinta Estação” de Peter Brosens e Jessica Woodworth, os diretores já foram premiados em Veneza com “Khadak” (2006) e foram selecionados em Cannes com “Altiplano” (2009).

“A Mostra entra em sua terceira edição se consolidando em São Paulo como espaço para conferir produções de várias partes do mundo que marcam presença inclusive em grandes festivais de cinema. Estes filmes, inéditos em sua maioria no Brasil, não entram em circuito depois, salvo algumas exceções. É uma oportunidade única de assistir a estas produções. É também um espaço para promover o debate e a reflexão sobre questões do nosso dia a dia,” diz Chico Guariba, diretor da 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental.

Como nas edições anteriores, além da mostra contemporânea, que traz o que de mais novo e melhor vem sendo produzido, haverá um panorama histórico e uma homenagem.

O panorama histórico traz filmes do diretor e roteirista japonês Kaneto Shindo, que morreu em 2012 aos 100 anos. Nascido em Hiroshima em 1912, Shindo escreveu mais de 200 roteiros e dirigiu 49 filmes, com destaque para “Filhos de Hiroshima”, da década de 1950, que conta a história de uma professora que retorna a Hiroshima após o bombardeio atômico. O filme foi exibido no Festival de Cannes de 1953. O cineasta foi condecorado com a Ordem Imperial da Cultura do Japão em 2002. Além de “Filhos de Hiroshima” serão exibidos os filmes “O Homem”, “Dragão Felizardo nº 5”, “A Mãe”, “Onibaba – A Mulher Demônio” e “A Ilha Nua”.

Washington Novaes será o homenageado da terceira edição da Mostra. Repórter, editor, diretor e colunista em várias das principais publicações brasileiras, foi durante sete anos editor-chefe do Globo Repórter e editor do Jornal Nacional, da Rede Globo, comentarista de telejornais das Redes Bandeirantes e Manchete, e no programa Globo Ecologia. No programa “Globo Repórter” dirigiu documentários como “Amazonas – a pátria da água” e “As crianças do reino do Porantim” (roteiros de Thiago de Mello), “A doença dos remédios”, entre outros. Como produtor independente de televisão, dirigiu as séries “Xingu – A Terra Mágica”, “Kuarup”, “Pantanal” e “Xingu – A Terra Ameaçada”. Ganhou vários prêmios internacionais e nacionais de jornalismo e televisão, e também o Prêmio Unesco de Meio Ambiente 2004. Serão exibidos os primeiros episódios das séries “Xingu – A Terra Mágica” e “Xingu – A Terra Ameaçada”, além de episódios de sua série “O Desafio do Lixo” e “Amazonas – a pátria da água”.

Os filmes da 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental serão exibidos em sete salas do circuito de cinema da cidade: Reserva Cultural, Cine Livraria Cultura, Museu da Imagem e do Som (MIS), Cine Olido, Centro Cultural São Paulo, Cinusp Maria Antônia e Matilha Cultural. Além das exibições dos filmes, a Mostra promoverá debates com vários realizadores de diferentes nacionalidades. Toda a programação é gratuita.

Este ano a Mostra traz ainda duas novidades – a premiação do melhor filme latino americano e um circuito universitário, que levará filmes e debates a diferentes instituições de ensino.

Serão premiados os melhores filmes escolhidos por um juri formado por três especialistas do setor audiovisual e ambiental e também por voto popular. As cédulas de votação estarão disponíveis nos locais das sessões, durante o período de realização da Mostra.

O circuito universitário será realizado durante todo o mês de março, envolvendo alunos em debates temáticos. Participam da programação Mackenzie, USP, PUC, São Judas e Cásper Líbero. O objetivo é levar o debate para os futuros tomadores de decisão e incentivar a produção universitária.

A realização da 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é possível graças ao apoio do Governo do Estado de São Paulo – Secretaria de Estado da Cultura, Programa de Ação Cultural 2013, através do qual patrocinam o projeto a Eaton e White Martins. O evento conta com apoio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Programa de Pós-Gradução em Ciência Ambiental da USP (Procam), Instituto de Estudos Avançados da USP, Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, Centro Universitário Maria Antônia, Cinusp, Secretaria Municipal de Cultura, Centro Cultural São Paulo, Galeria Olido, Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas, Rede Nossa São Paulo, Instituto Pólis, Instituto Pepsico, Instituto Akatu, Matilha Cultural, Le Monde Diplomatique Brasil, Revista Piauí, Instituto Envolverde, Rádio Eldorado, Rádio Estadão e Catraca Livre.

Diretores presentes na Mostra

Durante todos os dias da 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental estarão presentes realizadores de vários filmes e nacionalidades, que participarão de debates e outras atividades.

Confira os nomes e datas:

21/03 (sexta feira)

– Debate com o diretor de “Febre do Ouro”, Andrew Sherburne, no Cine Livraria Cultura às 20h30 (Mostra Contemporânea – Economia)

22/03 (sábado)

– Debate com o diretor de “Metamorphosen”, Sebastian Mez, no Cine Livraria Cultura às 19h (Mostra Contemporânea – Energia)

23/03 (domingo)

– Debate com a diretora de “Lamento dos Camponeses”, Julie Schorell, no Cine Livraria Cultura às 19h (Mostra Contemporânea – Campo)

24/03 (segunda feira)

– Debate com o diretor de “Vila do Fim do Mundo”, David Katznelson, no Cine Livraria Cultura às 20h30 (Mostra Contemporânea – Povos e Lugares)

25/03 (terça feira)

– Debate com diretores da Competição Latino Americana: Daniel Augusto e Eduardo Rajabally (“Amazônia Desconhecida”), Ulises de la Orden (“Deserto Verde”), Michelle Ibaven (“Não há Lugar Distante”), Héctor Ferreiro (“Pacha”), Tiziana Panizza (“74 Metros Quadrados”). Cine Livraria Cultura às 20h30.

– Homenagem e Debate com Washington Novaes, no Museu da Imagem e do Som (MIS) às 21h.

26/03 (quarta feira)

– Debate com o diretor do filme “A Escala Humana”, Andreas M Dalsgaard no Cine Livraria Cultura às 20h30 (Mostra Contemporânea – Cidades)

27/03 (quinta feira)

– Cerimônia de Premiação do Melhor Filme Latino Americano no Cine Livraria Cultura às 20h30.

Acompanhe a Mostra nas redes:

A Mostra oferece ainda um aplicativo gratuito para Android e iPhone, onde poderá ser acompanhada toda a programação. O aplicativo foi produzido pela empresa franco brasileira Ambientic.

As redes da Mostra são: ecofalante.org.br/mostra; facebook.com/mostraecofalante; @MostraEco; instagram.com/mostraecofalante.

 

Troféus

A 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental premiará o melhor filme latino americano escolhido pelo juri, e também por voto popular. Os troféus, que trazem o mascote – um macaco da espécie muriqui – com uma câmera na mão, foram confeccionados pelo Projeto Tear e pelo Design Possível.

O Projeto Tear é um serviço público de Saúde Mental constituído por oficinas de trabalho artesanal para pessoas em situação de sofrimento psíquico. Localizado no município de Guarulhos/SP, o Projeto Tear iniciou sua trajetória em 2003 por meio de uma parceria entre a Prefeitura de Guarulhos, Associação Cornélia Vlieg e Laboratórios Pfizer. Atualmente, 120 usuários participam das oficinas de Encadernação & Papelaria Artesanal, Marcenaria & Marchetaria, Serigrafia & Personalização, Tear & Costura, Velas & Sabonetes, Mosaico, Papel Reciclado Artesanal e Vitral que se constituem em espaços de produção, geração de renda e convivência.

O Design Possível é uma rede de desenvolvimento social que conta com a participação de estudantes, profissionais, ONGs e empresas.  Aplica o design na forma de desenvolvimento de produto, gestão produtiva, comunicação ou de outras maneiras que possam contribuir para a geração de renda, estimulando o desenvolvimento humano e social, aproximando o mercado consumidor e a produção das periferias.

 

3ª MOSTRA ECOFALANTE DE CINEMA AMBIENTAL ACONTECE EM MARÇO

20 a 27 de março de 2014 em São Paulo

Locais: Reserva Cultural, Cine Livraria Cultura, Cine Olido, Centro Cultural São Paulo, Museu da Imagem e do Som (MIS) e Matilha Cultural.

Entrada Gratuita, exceto no Centro Cultural São Paulo, que cobra uma taxa de manutenção de R$ 1,00.

 

 MostraEcofalanteCinemaAmbiental_560

PROGRAMAÇÃO CINEMA – 3a Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

 

20 de Março / Quinta-feira

Reserva Cultural

20h30 – Blackfish – Fúria Animal (EUA, 82’) – SÓ PARA CONVIDADOS

 

 

21 de Março / Sexta-feira

Cine Livraria Cultura

15h30 – Planeta Re:Pense (Dinamarca, 89’)

17h30 – Montanhas Enevoadas (China, 85’)

19h – Febre do Ouro (EUA, 84’)

20h30 – Debate Temática Economia

Reserva Cultural

16h – A Revolução do Lítio (Alemanha/Espanha, 52’)

17h15 – Desconectado (Índia/EUA, 83’)

19h – Metamorphosen (Alemanha, 84’)

20h30 – Terra da Esperança (Japão, 133’)

Centro Cultural São Paulo

17h – A Lenda de Iya (Japão, 169’)

20h – Fukushima: Um Registro de Coisas Vivas (Japão, 76’)

Cine Olido

17h – Linear (Brasil, 7’) + 74 Metros Quadrados (Chile/EUA, 67’)

19h–Chapada do Apodi (Brasil, 27’) + Deserto Verde (Argentina, 84’)

Cinusp Maria Antônia

20h–Lamento dos Camponeses (Luxemburgo, 71’)

Matilha Cultural

18h –Somos Todos Cobaias? (França, 118’)

20h –Blackfish – Fúria Animal (EUA, 82)

 

22 de Março / Sábado

Cine Livraria Cultura

15h30 – Fukushima: Um Registro de Coisas Vivas (Japão, 76’)

17h30 – Metamorphosen (Alemanha, 84’)

19h – Debate Temática Energia

21h – Promessa de Pandora (EUA, 89’)

Reserva Cultural

15h – A Quinta Estação (França/Holanda/Bélgica, 93’)

17h15 – Febre do Ouro (EUA, 84’)

19h – Os Sub- Humanos (Alemanha, 90’)

21h – Figurões (EUA, 99’)

MIS – Museu da Imagem e do Som

18h – Dragão Felizardo Nº 5 (Japão, 115’)

20h30–Filhos de Hiroshima (Japão, 97’)

Centro Cultural São Paulo

16h–O Homem Vaca (Reino Unido, 98’)

18h – Jornada ao Local Mais Seguro da Terra (Suíça, 100’)

20h – Costa da Morte (Espanha, 81’)

Cine Olido

15h–A Síndrome de Veneza (Alemanha, 80’)
17h – Paal (México/Canadá/Suíça, 21’) + Não Há Lugar Distante (México, 82’)
19h –  Apocalipse de Verão (Brasil, 15’) + As Ruas da Minha Cidade (Uruguai, 6’) + Pacha (Bolívia/México, 88’)

Cinusp Maria Antônia

18h–De Para (Croácia, 10’) +  A Escala Humana (Dinamarca, 83’)

20h–Homem Máquina (Espanha, 15’) + Um Rio Muda de Curso (Camboja, 83’)

Matilha Cultural

17h–Terra da Esperança (Japão, 133’)

20h–Amazonas, a pátria da água (Brasil, 52’)

 

23 de Março / Domingo

 

Cine Livraria Cultura

15h30 – Vozes da Transição (França, 66’)

17h30 – Lamento dos Camponeses (Luxemburgo, 71’)

19h – Debate Temática Campo

21h – Sinfonia do Solo (EUA, 104’)

Reserva Cultural

15h – A Criação Como a Vimos (Reino Unido, 14’) + Floresta dos Espíritos Dançarinos (Canadá/Suécia, 104’)

17h15 – Defensores do Ártico (Canadá, 90’)

19h – Vila do Fim do Mundo (Reino Unido, 76’)

20h30 – A Lenda de Iya ( Japão, 169’)

MIS – Museu da Imagem e do Som

18h – O Homem (Japão, 117’)

20h30 – A Ilha Nua (Japão, 94’)

Centro Cultural São Paulo

16h–Ecumenópolis: A Cidade Sem Limites (Turquia/Alemanha, 93’)

18h – Nature House Inc. (Reino Unido, 6’) + Fora de Quadro (Grécia, 10’) + Sempre Fui um Sonhador (EUA, 78’)

20h – Somos Todos Cobaias? (França, 118’)

Cine Olido

15h–Nahuas, 20 Anos Depois (Peru/Espanha, 26’) + Amazônia Desconhecida (Brasil, 70’)

17h–O Último Mercador de Gelo (Equador, 14’) + Seca (México, 90’)

Cinusp Maria Antônia

18h–Metamorphosen (Alemanha, 84’)

20h – Febre do Ouro (EUA, 84’)

Matilha Cultural

20h–Xingu – A Terra Mágica / Xingu – A Terra Ameaçada (Brasil, 104’)

24 de Março / Segunda-feira

 

Cine Livraria Cultura

15h30 – Homem Máquina (Espanha, 15’) + Um Rio Muda de Curso (Camboja, 83’)

17h30 – Costa da Morte (Espanha, 80’)

19h – Vila do Fim do Mundo (Reino Unido, 76’)

20h30 – Debate Temática Povos e Lugares

Reserva Cultural

15h – Somos Todos Cobaias? (França, 118’)

17h15 – Lamento dos Camponeses  (Luxemburgo, 71’)

19h – Nahuas, 20 Anos Depois (Peru/Espanha, 26’) + Amazônia Desconhecida (Brasil, 70’)

21h –Chapada do Apodi (Brasil, 27’) + Deserto Verde (Argentina, 84’)

 

25 de Março / Terça-feira

 

Cine Livraria Cultura

15h30 – OS Sub-Humanos (Alemanha, 90’)

17h30 – A Síndrome de Veneza (Alemanha, 80’)
19h – A Quinta Estação (França/Holanda/Bélgica, 93’)

20h30 – Debate Mostra Competitiva

Reserva Cultural

15h – Sinfonia do Solo (EUA, 104’)

17h15 – Vozes da Transição (França, 66’)
19h – Apocalipse de Verão (Brasil, 15’) + As Ruas da Minha Cidade (Uruguai, 6’) + Pacha (Bolívia/México, 88’)

21h – O Último Mercador de Gelo (Equador, 14’) + Seca (México, 90’)

MIS – Museu da Imagem e do Som

19h–Xingu – A Terra Mágica / Xingu – A Terra Ameaçada (Brasil, 104’)

21h–Debate Homenagem – Washington Novaes

Centro Cultural São Paulo

17h–Filhos de Hiroshima (Japão, 97’)

20h – Dragão Felizardo Nº 5 (Japão, 115’)

Cine Olido

17h–Lamento de Yumen (China, 27’) + Tóquio Waka (Japão, 63’)

19h – Nature House Inc. (Reino Unido, 6’) + Fora de Quadro (Grécia, 10’) + Sempre Fui um Sonhador (EUA, 78’)

Matilha Cultural

18h–Jornada ao Local Mais Seguro da Terra (Suíça, 100’)

20h–Desafio do Lixo (Brasil, 108’)

 

26 de Março / Quarta-feira

 

Cine Livraria Cultura

15h30 – Lamento de Yumen (China, 27’) + Tóquio Waka (Japão, 63’)

17h30 – Guerra de Areia (França/ Canadá, 74’)

19h – De Para (Croácia, 10’) +  A Escala Humana (Dinamarca, 83’)

20h30 – Debate Temática Cidades

Reserva Cultural

15h – Jornada ao Local Mais Seguro da Terra (Suíça, 100’)

17h15 – O Homem Vaca (Reino Unido, 98’)

19h – Paal (México/Canadá/Suíça, 21’) + Não Há Lugar Distante (México, 82’)

21h – Linear (Brasil, 7’) + 74 Metros Quadrados (Chile/EUA, 67’)

MIS – Museu da Imagem e do Som

19h–Amazonas, a pátria da água (Brasil, 52’)

21h – Desafio do Lixo (Brasil, 108’)

Centro Cultural São Paulo

17h – A Ilha Nua (Japão, 94’)

20h – O Homem (Japão, 117’)

Cine Olido

17h – Desconectado (Índia/EUA, 83’)

19h – Ecumenópolis: A Cidades Sem Limites (Turquia/ Alemanha, 93’)

Matilha Cultural

18h– OsSub-Humanos (Alemanha, 90’)

20h–Promessa de Pandora (EUA, 89’)

 

27 de Março / Quinta-feira

 

Cine Livraria Cultura
15h30 – Defensores do Ártico (Canadá, 90’)
17h30 – A Revolução do Lítio (Alemanha/Espanha, 52’)
19h – Blackfisk – Fúria Animal (EUA, 82’)
20h30 – Cerimônia de Premiação
Reserva Cultural

15h – Nature House Inc. (Reino Unido, 6’) + Fora de Quadro (Grécia, 10’) + Sempre Fui um Sonhador (EUA, 78’)
17h15 – Ecumenópolis: A Cidades Sem Limites (Turquia/Alemanha, 93’)
19h – De Para (Croácia, 10’) +  A Escala Humana (Dinamarca, 83’)
21h – A Síndrome de Veneza (Alemanha, 80’)

Museu da Imagem e do Som

19h – A Mãe (Japão, 100’)

21h – Onibaba (Japão, 103’)
Centro Cultural São Paulo
17h – Terra da Esperança (Japão, 133’)
20h – Lamento de Yumen (China, 27’) + Tóquio Waka (Japão, 63’)
Cine Olido

17h–Guerra de Areia (França/Canadá, 74’)
19h–A Quinta Estação (França/Holanda/Bélgica, 93’)
Matilha Cultural
20h–Planeta Re:Pense (Dinamarca, 85’)

28 de Março / Sexta-feira

Centro Cultural São Paulo

17h – Onibaba (Japão, 103’)

20h – A Mãe (Japão, 100’)

29 de Março / Sábado

Centro Cultural São Paulo

16h – Guerra de Areia (França/Canadá, 74’)

18h – Montanhas Enevoadas (China, 85’)

20h – A Criação Como a Vimos (Reino Unido, 14’) + Floresta dos Espíritos Dançarinos (Canadá/Suécia, 104’)

 

30 de Março / Domingo

Centro Cultural São Paulo

16h – Figurões (EUA, 99’)

18h – Promessa de Pandora (EUA, 89’)

20h – Desconectado (Índia/EUA, 83’)

 

Sinopses dos Filmes

Longas Nacionais e Internacionais

Mostra Contemporânea

 

Somos Todos Cobaias?
All of Us Guinea Pigs Now?

Dir. Jean-Paul Jaud,

França, 2012, 118’

Como é possível que os transgênicos agrícolas estejam nos campos e nos pratos quando eles foram testados por apenas três meses em ratos? Como é possível que a energia nuclear ainda seja a energia do futuro quando já vivenciamos Chernobyl e Fukushima? Serão as conclusões devastadoras?
Classificação Indicativa: Livre

Lamento dos Camponeses
Farmer’s Blues

Dir.Julie Schroell,

Luxemburgo, 2011, 71′

Nos últimos 150 anos a produção agrícola luxemburguesa tornou-se irreconhecível, com uma queda na taxa de emprego de mais de 60%. Com este declínio como pano de fundo, Julie Schroell parte em busca dos últimos agricultores restantes no país, ao mesmo tempo em que explora os efeitos da industrialização, a política de subsídios da UE e a ascensão da agricultura orgânica.
Classificação Indicativa: Livre

Sinfonia do Solo

Symphony of the Soil

Dir. Deborah Koons Garcia,

EUA, 2012, 104′

O filme analisa nossa relação com o solo, seu uso e abuso na agricultura, desmatamento e desenvolvimento, e as últimas pesquisas científicas sobre o papel fundamental do solo na melhoria das questões ambientais mais desafiadoras de nosso tempo. Ao compreender as relações elaboradas e mútuas entre o solo, água, atmosfera, plantas e animais, passamos a apreciar a natureza complexa e dinâmica deste recurso precioso.
Classificação Indicativa: Livre

A Quinta Estação
The Fifth Season

Dir. Peter Brosens & Jessica Woodworth

França, Holanda, Bélgica, 2012, 93′

Uma misteriosa calamidade ataca: a primavera não chega. O ciclo da natureza está quebrado. Alice e Thomas, dois adolescentes que vivem em uma vila belga no coração da floresta de Ardennes, lutam para dar sentido ao mundo que está desmoronando ao seu redor.
Classificação Indicativa: 16 anos

 

O Homem Vaca

The Moo Men

Dir. Andy Heathcote & Heike Bachelier,

Reino Unido, 2013, 98′

O leiteiro Stephen Hook decide ignorar os supermercados e vender diretamente a seus clientes seu leite orgânico. Ele espera, permanecendo pequeno, conseguir manter o ótimo relacionamento que possui com suas 55 vacas, em especial com Ida, a rainha de seu rebanho. O resultado é uma história surpreendentemente engraçada e emotiva sobre os incríveis laços entre fazendeiro, animal e campo em uma Inglaterra que vem desaparecendo rapidamente.
Classificação Indicativa: Livre

 

A Lenda de Iya

The Tale of Iya
Dir.Tetsuichiro Tsuta,

Japão, 2013, 169′

Um túnel a ser construído em Iya, última região intocada do Japão, ameaça o funcionamento natural da vida na região. Um homem idoso e sua neta, Haruna, encontram um jovem de Tóquio, o avô começa a adoecer e sua pacífica vida de contos de fadas parece estar chegando ao fim.
Classificação Indicativa: Livre

Ecumenópolis: A Cidade Sem Limites

Ecumenopolis: City Without Limits

Dir.Imre Azem,

Turquia, Alemanha, 2011, 93′

O filme conta a história de Istambul e outras megacidades em um caminho neoliberal em direção à destruição. Ele acompanha a história de uma família migrante da demolição de seu bairro à sua luta contínua pelo direito à moradia.
Classificação Indicativa: Livre

Sempre Fui Um Sonhador

I Have Always Been a Dreamer

Dir. Sabine Gruffat,

EUA, 2012, 78’

Um filme-ensaio sobre globalização e ecologia urbana, utilizando os exemplos de duas cidades em estágios de desenvolvimento contrastantes: Dubai, Emirados Árabes Unidos e Detroit, EUA. No contexto de uma economia em ascensão e queda, o filme questiona as ideologias coletivas que moldam a paisagem física e impactam as comunidades locais.
Classificação Indicativa: Livro

 

Guerras de Areia

Sand Wars

Dir.Denis Delestrac,

França, Canadá, 2013, 74’

Depois da água, a areia é o recurso natural mais consumido no planeta. Como consequência, as limitadas reservas de areia estão ameaçadas. Uma “guerra de areia”, iniciada por explosões de prédios, crescem em todo o lugar e ¾ das praias do planeta estão diminuindo e destinadas a desaparecer, vitimas da erosão e – por mais incrível que pareça – do contrabando de areia.
Classificação Indicativa: Livre

A Escala Humana

The Human Scale

Dir. Andreas M. Dalsgaard,

Denamarca, 2012, 83′

50% da população mundial vive em áreas urbanas. Até 2050 esse número chegará a 80%. Viver em uma megacidade é tanto encantador quanto problemático. Hoje enfrentamos escassez de petróleo, mudanças climáticas, solidão e diversos problemas de saúde devido ao nosso estilo de vida. Mas por que? O arquiteto e professor dinamarquês Jan Gehl estudou o comportamento humano em cidades ao longo de 40 anos. Ele documentou como cidades modernas repelem a interação humana e argumenta que podemos construir cidades de uma forma que leve em consideração necessidades humanas de inclusão e intimidade.
Classificação Indicativa: Livre

A Síndrome de Veneza

The Venice Syndrome

Dir. Andreas Pichler,

Alemanha, 2012, 80′

Veneza vive sob a enorme pressão do turismo de massa – e vive disso. A cidade deixou de existir como uma estrutura urbana, foi abandonada por seus habitantes e está caindo em decadência física, social e moral. O filme é um retrato de uma cidade magnífica no processo de autodestruição.
Classificação Indicativa: Livre

Figurões

Big Men

Dir. Rachel Boynton,

EUA, 2013, 99′

Em Gana, uma pequena empresa norte-americana de energia luta para garantir sua descoberta de petróleo, enquanto um novo governo chega ao poder. Na Nigéria, onde o petróleo já foi descoberto, as ramificações da indústria petrolífera cobraram seu preço do povo. À medida que a empresa norte-americana cai sob o escrutínio do novo governo de Gana e do Departamento de Justiça dos EUA, os contratos para exploração do campo de petróleo vão desaparecendo. Os empregos se perdem, jogos de poder entram em cena e, enquanto isso, o povo de Gana espera para colher seus benefícios. Com um acesso sem precedentes e um olhar inabalável, Figurões leva-nos fundo na indústria africana de petróleo em Gana e Nigéria, oferecendo um panorama sobre a ambição, a ganância e a corrupção que ameaçam agravar a maldição dos recursos naturais da África e deixar mais de seus cidadãos para trás.
Classificação Indicativa: 12 anos

Blackfish – Fúria Animal

Blackfish

Dir. Gabriela Cowperthwaite,

EUA, 2013, 82

A história de Tilikum, a principal baleia orca do parque temático SeaWorld, em Orlando, Estados Unidos, responsável pela morte de três pessoas. Imagens fortes e entrevistas emocionantes compõem este documentário, que explora o comportamento da espécie, o tratamento cruel no cativeiro, além de recuperar as trajetórias e mortes dos treinadores, pilares de uma indústria multibilionária. O filme convida o espectador a repensar a nossa relação com a natureza e explicita o quão pouco os humanos estão dispostos a aprender com esses mamíferos.
Classificação Indicativa: 12 anos

Montanhas Enevoadas

Cloudy Mountains.

Dir. Zhu Yu,

China, 2012, 85’

O lado sul das montanhas de LopNur, no oeste da China, é rico em amianto. Os trabalhadores criam poeira enquanto exploram o minério. De longe, parece uma máquina de fazer nuvem, soprando nuvens no ar. Apesar das pessoas que trabalham nesse ambiente tão severo viverem uma vida dura e isolada, elas não perderam sua alegria de viver. No entanto, não sabem ou se preocupam com as consequências que trabalhar nesse ambiente pode ter.
Classificação Indicativa: Livre

Febre do Ouro

Gold Fever

Dir. Andrew Sherburne, JT Haines e Tommy Haines,

EUA, 2013, 83′

Febre do Ouro testemunha a chegada da GoldcorpInc em uma aldeia remota da Guatemala. Presas na mira de um frenesi mundial pelo ouro, Diodora, Crisanta e Gregoria resistem à ameaça às suas terras ancestrais diante de graves consequências.

Classificação Indicativa: 12 anos

Planeta Re:pense

Planet Re:think

Dir. Eskil Hardt,

Dinamarca, 2012, 85’

Como medimos nossas riquezas invendáveis? E como colocamos um verdadeiro preço em nossas conquistas? Planeta RE:pense apresenta uma intrínseca e convincente relação entre a destruição ambiental e a crise financeira global, ilustrada na falácia fundamental do modelo do PIB, através do qual medimos riquezas nacionais.
Classificação Indicativa: Livre

Os Sub-Humanos

Redemption Impossible

Dir. Claus Strigel & Christian Rost,

Alemanha, 2013, 90’

Em um safari hermeticamente fechado na Áustria, os desafios morais de nossa civilização colidem sob uma lupa: culpa, responsabilidade, redenção. Quarenta chimpanzés sobreviveram a experimentos com o vírus HIV “servindo à humanidade.” Traumatizados, altamente agressivos e mentalmente isolados. Hoje, quatro cuidadoras administram um projeto de reabilitação único, onde as vítimas reaprendem a se tornar macacos.
Classificação Indicativa: Livre

 

Fukushima: Um Registro de coisas Vivas

Fukushima: A Record of Living Things

Dir. Masanori Iwasaki,

Japão, 2013, 76′

O desastre nuclear de Fukushima após o grande terremoto do leste do Japão forçou as pessoas a evacuar o local, mas o que aconteceu com os animais selvagens que não tinham para onde ir? Substâncias radioativas que se espalham por áreas restritas e não restritas estão afetando não apenas os animais selvagens, como andorinhas, vacas, ratos do campo, toupeiras, javalis, porcos selvagens e macacos japoneses, mas também animais de fazenda e de estimação. Este filme documenta o que está acontecendo nas áreas contaminadas pela radiação.
Classificação Indicativa: Livre

Jornada ao Local Mais Seguro da Terra

Journey to the Safest Place on Earth

Dir. Edgar Hagen,

Suíça, 2013, 100′

Ao longo dos últimos 60 anos, mais de 350.000 toneladas de resíduos nucleares de alto nível foram acumulados em todo o mundo. Este material deve ser depositado por milhares de anos em um lugar seguro, ou seja, que não irá prejudicar os seres humanos ou o meio ambiente. No entanto, tal depósito ainda não existe e a produção de resíduos nucleares continua inabalável. O internacionalmente renomado físico nuclear suíço Charles McCombie e alguns de seus aliados mais importantes fornecem ao diretor Edgar Hagen um panorama de sua luta persistente para encontrar o lugar mais seguro da terra, a fim de resolver esse grave dilema.
Classificação Indicativa: Livre

Metamorphosen

Metamorphosen

Dir. Sebastian Mez,

Alemanha, 2013, 84

Estabelecidos na região Ural do sul da Rússia, o filme conta a história de pessoas que moram em um dos lugares mais contaminados por radiação do planeta. Fato desconhecido pelo público, a região foi irradiada repetidamente por diferentes acidentes da instalação nuclear Mayak, a primeira a produzir material físsil para armas nucleares da União Soviética, ainda hoje ativa. O filme capta um perigo que não é perceptível ou visível, assim como a força das pessoas que têm que lidar com ele.
Classificação Indicativa: Livre

Promessa de Pandora

Pandora’s Promise

Dir.Robert Stone,

EUA, 2013, 89′

Todos os ambientalistas e ativistas políticos de esquerda se opõem à energia nuclear, certo? Errado. Nós todos sabemos que os vazamentos nucleares em Chernobyl, ThreeMileIsland e agora Fukushima sinalizam o potencial de um holocausto nuclear global, certo? Errado. E se tudo o que sabíamos sobre a energia nuclear estivesse errado? E se a energia nuclear for a única fonte de energia que tem a capacidade de parar as mudanças climáticas? O ex-crítico da energia nuclear e documentarista Robert Stone examina algumas das crenças generalizadas sobre os perigos da energia nuclear em um filme esclarecedor e fascinante.
Classificação Indicativa: Livre

Desconectado

Powerless

Dir. Deepti Kakkar & Fahad Mustafa,

Índia, EUA, 2013, 83′

Kanpur já foi uma das principais cidades industriais da Índia, mas atualmente sua infraestrutura precária obriga boa parte da população a lidar constantemente com a falta de eletricidade. Loha Singh é um eletricista que realiza ligações clandestinas nos bairros pobres, fazendo funcionar pequenos negócios, fábricas e residências. Paralelamente, RituMaheshwari é a nova diretora da companhia de eletricidade local que tenta reprimir os roubos de eletricidade. Esses dois personagens são antagonistas de uma situação que se desdobra pela cidade.
Classificação Indicativa: 10 anos

Terra da Esperança

The Land of Hope

Dir. Sion Sono,

Japão, 2012, 133′

Em uma típica vila japonesa, Yoichi Ono vive com sua esposa Izumi e seus pais. A família Ono leva uma vida simples, mas feliz, como produtores de leite vivendo nessa pacata vila. Um dia, o pior terremoto da história causa a explosão de uma usina nuclear próxima. Seus vizinhos, que vivem dentro do alcance da usina de energia nuclear, são obrigadas pelo governo a evacuar o local. Mas a família Ono tem apenas metade de seu jardim designado como dentro do alcance, e têm que tomar a difícil decisão de refugiar-se ou não.

Classificação Indicativa: Livre

Um Rio Muda de Curso

A River Changes Course
Dir. Kalyanee Man,

Camboja, EUA,2012, 83’

Duas vezes por ano no Camboja, o rio Tonle Sap muda de curso, enquanto o rio da vida flui em um ciclo perpétuo de morte e renascimento e de criação e destruição. Trabalhando em um estilo íntimo, KalyaneeMam passou dois anos em sua terra natal acompanhando três jovens cambojanos lutando para superar os efeitos esmagadores do desmatamento, da sobrepesca e da dívida opressiva.
Classificação Indicativa: Livre

Defensores do Ártico

Arctic Defenders

Dir.John Walker,

Canadá, 2013, 90′

Defensores do Ártico conta a notável história iniciada em 1968 com um movimento radical Inuit que mudaria o cenário político para sempre. Ele levou à maior reivindicação de terras da história da civilização ocidental, orquestrada pelos jovens visionários Inuit com um sonho: a governança do seu território – a criação de Nunavut. A história revela o lado obscuro da ameaça do Canadá à soberania no norte e encontra esperança e inspiração a partir da determinação Inuit que mudou as regras do jogo.
Classificação Indicativa: Livre

Costa da Morte

Costa da Morte

Dir. Lois Patiño,

Espanha, 2013, 81′

Costa da Morte é uma região no noroeste da Galícia, que foi considerada como o fim do mundo durante o período romano. Seu nome dramático vem dos inúmeros naufrágios que aconteceram ao longo da história nesta área feita de rochas, névoa e tempestades. Atravessamos esta terra observando as pessoas que a habitam, pescadores, coletores de mariscos, madeireiros… Testemunhamos artesãos tradicionais que mantêm tanto uma relação íntima quanto uma batalha antagônica com a vastidão do território. O vento, as pedras, o mar, o fogo, são personagens deste filme, e através deles nos aproximamos do mistério da paisagem, entendendo-a como um conjunto unificado com o homem, sua história e suas lendas.
Classificação Indicativa: Livre

Floresta do Espíritos Dançarinos

Forest of the Dancing Spirits

Dir. Linda Västrik,

Candá, Suécia,2013, 104′

Akaya, Kengole, Dibota e seus amigos e família são caçadores-coletores (e também grandes contadores de histórias), que nos guiam através do seu mundo na floresta tropical da bacia do Congo. Eles explicam suas origens, mitos e o sentido bastante espiritual que dão à vida. O filme acompanha a singular vida comunitária do grupo ao longo de muitos anos. Nós testemunhamos a prática de sua espiritualidade nas situações mais difíceis. Sua religião é lúdica e muito criativa para lidar com as questões profundamente sérias da vida e da morte, e pode ser a mais antiga religião praticada hoje.
Classificação Indicativa: Livre

Vila do Fim do Mundo

Village at the End of the World

Dir. Sarah Govron & David Katznelson,

Reino Unido, 2013, 76

Niaqornat, no Noroeste da Groenlândia, tem uma população de 59 pessoas. Se a população cair abaixo de 50, a vila perde seus subsídios dinamarqueses e corre o risco de ter todos os seus habitantes transferidos para a cidade mais próxima. Sabemos que existem pressões latentes em um lugar como este – o gelo está derretendo, o governo não quer mais subsidiar o navio de abastecimento que traz o alimento que não pode ser caçado, e as pessoas estão partindo devido à falta de trabalho. O filme reflete os dilemas da maioria das pequenas comunidades de todo o mundo, retratando um dos lugares mais remotos da Terra.
Classificação Indicativa: Livre

Especial Dia da Água

Marca d’Água

Watermark

Dir. Jennifer Baichwal & Edward Burtynsky

Canadá, 2013, 90’

Todo ser vivo necessita de água. Nós, humanos, interagimos com ela em uma miríade de formas, várias vezes ao dia. Mas com que frequência consideramos a complexidade dessa interação? E, exceto quando confrontados por sua escassez, quando meditamos sobre sua onipresença na criação, manutenção e enriquecimento da vida? Marca d’Água reúne diversas histórias de todo o mundo sobre nossa relação com a água: como somos atraídos a ela, o que podemos aprender com ela, como a utilizamos e as consequências dessa utilização.

Classificação Indicativa: Livre

 

Mostra Competitiva


Amazônia Desconhecido

Amazônia Desconhecida

Dir. Daniel Augusto & Eduardo Rajabally,

Brasil, 2013, 71’

A Amazônia é um dos lugares mais famosos do mundo e, curiosamente, um dos menos conhecidos. Em meio a tanta desinformação, o documentário se propõe uma difícil missão: buscar as inúmeras verdades existentes, derrubando mitos e levando ao público um retrato mais fiel da maior floresta tropical do planeta.
Classificação Indicativa: Livre


Seca

Cuates de Australia

Dir. Everaldo González,

México, 2011, 90’

Os habitantes de Cuates de Australia enfrentam a morte a cada ano, evitando a seca que os ameaça. Enquanto a comunidade é forçada ao êxodo, o ejido é abandonado e, pouco a pouco, os animais do deserto se apoderam do lugar. Em seu exílio, homens e mulheres, jovens e velhos esperam as primeiras gotas de chuva a fim de retornar.
Classificação Indicativa: Livre


Deserto Verde

Desierto Verde

Dir. Ulises de la Orden

Argentina,2013, 84

O uso de produtos químicos na produção agrícola tem mais de um século. Diferentes pesticidas têm sido utilizados, sempre escondendo os efeitos prejudiciais à saúde. Mas o enorme avanço das fronteiras agrícolas levou o uso dessas substâncias a uma situação de abuso, intervindo na produção de milhões e milhões de hectares: alimento que chega à nossa mesa, juntamente com o veneno. Existem maneiras de se criar riqueza, produzir alimentos e exportar para o mundo sem nos intoxicar. Não vamos engolir o contrário.

Classificação Indicativa: Livre


Não Há Lugar Distante

No Hay Lugar Lejano

Dir. Michelle Ibaven

México, 2012, 82

Julian, um menino indígena de 8 anos, testemunha a construção de uma estranha atração turística na longínqua Serra Tarahumara, onde sua tribo vive há séculos. Para Nazareno e outros membros anciãos da comunidade, estas obras apenas confirmam a ameaça que sua pequena vila, localizada no ponto mais remoto da serra, sofre há décadas: de ser removida do local. Uma vila ignorada pelo governo, cujas crianças crescem para abandoná-la e velhos morrem para dela não sair.
Classificação Indicativa: Livre


Pacha

Pacha

Dir. Héctor Ferreiro,

Bolívia, México, 2012, 88’

Tito, um engraxate, dorme nas ruas de La Paz. Adormecido debaixo de um sombrero ele sonha com um outro mundo, até que é acordado abruptamente pelo pesadelo de seu presente – e a descoberta do roubo da caixa de engraxate de que ele precisa para sobreviver. Em todos os lugares ao seu redor uma batalha constante está sendo travada contra as condições sociais miseravelmente pobres. Quando a população indígena luta por seus direitos, a polícia responde com gás lacrimogêneo e balas de borracha.
Classificação Indicativa: Livre


74 Metros Quadrados

74 Metros Cuadrados

Dir. Paola Catillo & Taziana Panizza,

Chile, EUA, 2013, 67

Iselsa e Cathy decidem participar de um projeto concebido por líderes em arquitetura social, que lhes dará sua casa própria e os integrará em um bairro de classe média. A câmera observa ao longo de sete anos os recursos escassos, um bairro que os rejeita, problemas na construção e os desastres que as chuvas trazem. A maior dificuldade será superar a divisão da comunidade.

Classificação Indicativa: Livre

 

Panorama Histórico

Filhos de Hiroshima

Children of Hiroshima/ Gembaku no Ko

Dir.Kaneto Shindo,

Japão, 1952, 100’

Hiroshima pós-guerra. Já se passaram quatro anos desde a última vez que ela visitou sua cidade natal. Takako enfrenta os efeitos da bomba atômica quando viaja ao redor da cidade para visitar velhos amigos.

Classificação Indicativa: 14 anos

O Homem

Human/ Ningen

Dir. Kaneto Shindo,

Japão, 1962, 116’

O barco Netuno fica à deriva após uma violenta tempestade. O desespero dos quatro tripulantes aumenta quando a comida e a água terminam.
Classificação Indicativa: 14 anos

Dragão Felizardo Nº 5

Lucky Dragon Nº 5/ Daigo Fukuryu Maru

Dir. Kaneto Shindo,

Japão, 1959, 110’

Em 1954, logo após os testes nucleares dos EUA no Atol de Bikini, a tripulação de um navio pesqueiro sofre com a contaminação radioativa.
Classificação Indicativa: 10 anos

A Mãe

Mother/ Haha

Dir. Kaneto Shindo,

Japão,1963, 100’

Tamiko é mãe solteira. Seu filho está ficando cego. O diagnóstico é tumor cerebral. Não há dinheiro para a cirurgia. Ela pede auxílio à mãe, Yoshie. A ajuda financeira é negada, mas Yoshie arranja um casamento para Tamiko, a fim de que o novo marido pague pela urgente cirurgia.

Classificação Indicativa: 14 anos

Onibaba – A Mulher do Demônio

Onibaba

Dir.Kaneto Shindo,

Japão, 1964, 100

Século 14, Japão. Esperando o filho que está na guerra, uma mulher e sua nora sobrevivem em uma aldeia através de tocaias que armam para alguns soldados, matando-os e vendendo seus pertences. Com a morte do filho, a mãe põe em prática um plano diabólico para manter a companhia de sua nora.

Classificação Indicativa: 16 anos

A Ilha Nua

The Naked Island/ Hadaka no Shima

Dir. Kaneto Shindo,

Japão, 1960, 95

O filme lida com a vida difícil de uma família de quatro pessoas, os únicos habitantes de uma pequena ilha japonesa no arquipélago Setonaikai. Várias vezes por dia eles remam até a ilha vizinha para buscar água para os seus campos miseráveis.
Classificação Indicativa: Livre

 

 

Curtas e Médias Internacionais e Nacionais

Mostra Contemporânea

Vozes da Transição

Voices of Transition

Dir. Nils Aguilar,

França, 2011, 66’

Como iremos manter nossa alimentação no futuro? Quais são as alternativas à agricultura industrial? Como podemos fazer uma transição para um sistema econômico verdadeiramente resistente? Vozes da Transição discute tais questões e apresente respostas inspiradoras.
Classificação Indicativa: Livre

Tóquio Waka

Tokyo Waka

Dir. John Haptas & Kristine Samuelson

Japão, 2012, 62

TokyoWaka é tanto um retrato lírico cuidadosamente construído de Tóquio e seus habitantes quanto uma representação da surpreendentemente rica vida dos corvos. É um encapsulamento evocativo da Tóquio pós-bolha, quando as pessoas pegas no fluxo das mudanças buscam seus portos seguros precários perante um futuro incerto.
Classificação Indicativa:Livre

A Revolução do Lítio

The Lithium Revolution

Dir.Andreas Pichler & Julio Weiss,

Alemanha, Espanha,2012, 52

Em um momento de escassez global de recursos naturais e aumento dos preços de energia, o lítio está no caminho para se tornar “o” recurso do século 21. O lítio é a base para um novo tipo de tecnologia de bateria e, portanto, um pré-requisito para a propagação de mobilidade eletrônica. Será o lítio uma resposta para a crise energética iminente e a chave para o futuro?

Classificação Indicativa: Livre

De Para

From To

Dir. Miranda Herceg,

Croácia, 2012, 10’

Instituições públicas, salas de espera, transporte público. São lugares com nomes diferentes, mas com características semelhantes. Neles ficamos para ir a outros lugares. São lugares “entre”, locais de temporalidade e exclusão que comunicam-se com todos da mesma forma, convencionalmente, sem interesse por indivíduos.
Classificação Indicativa: Livre

 

Fora de Quadro

Out of Frame

Dir. YorgosZois,

Grécia, 2012, 10’

Na Grécia, a propaganda em outdoors foi recentemente proibida. Como resultado, existem centenas de outdoors vazios que não mostram nenhuma mensagem. Mas as molduras vazias são agora a mensagem. E nós estamos fora de quadro.
Classificação Indicativa: Livre

Lamento de Yumen

Lament of Yumen

Dir. Huaging Jin,

China, 2012, 27′

A cidade de Yumen, onde o primeiro campo de petróleo da China foi encontrado, já foi uma cidade de glórias e sonhos. Meio século depois, seus recursos petrolíferos estão esgotados. As bases do governo e do petróleo mudaram-se e mais de 90 mil residentes migraram, deixando uma cidade praticamente deserta. O documentário explora os crescentes problemas sociais que surgem com as grandes reformas chinesas, focando na luta desesperada pela vida das classes menos privilegiadas.
Classificação Indicativa: Livre

Nature House Inc.

Nature House Inc.

Dir. Nick Jordan,

Reino Unido, 2013, 6’

Um curta metragem que foca na proliferação de casas de passarinho, construídas para atrair a Andorinha Azul – “O Pássaro Mais Procurado da América”. A extraordinária abundância dessas casas construídas pelo homem reflete um desejo de viver mais próximo à natureza, em um cenário suburbano de uma pequena cidade.
Classificação Indicativa: Livre

 

Homem Maquina

Dir. Machine Man,

Espanha, 2011, 15

Uma reflexão sobre a modernidade e o desenvolvimento global. Homens como máquinas. O uso da força física humana para realizar trabalhos no século XXI. O filme se passa na capital de Bangladesh, Daca, onde uma massa de milhões de pessoas tornou-se a força motriz por trás da cidade.
Classificação Indicativa:Livre

A Criação Como a Vimos

The Creation As We Saw It

Dir.Ben Rivers,

Reino Unido, 2012, 14

Três histórias míticas da República de Vanuatu, uma ilha-nação localizada no Oceano Pacífico Sul, sobre a origem dos seres humanos; por que os porcos caminham de quatro; e por que um vulcão está onde está.
Classificação Indicativa:Livre

Especial Dia da Água

Paulicéia Canta, TY-ETÊ!

Pauliceia Sings, TY-ETÊ!

Dir. Céu D’Ellia,

Brasil, 2013, 2’

Tendo como palco o principal rio da cidade de São Paulo, o Rio Tietê, vemos como a arte pode despertar a vida.

Classificação Indicativa: Livre

Mostra Competitiva

Apocalipse de Verâo

Summer Apocalypse

Dir. Carolina Durão,

Brasil, 2013, 15’

Rio de Janeiro, 45 ° C, praias lotadas: um apocalipse de verão! Daniel, 8 anos, está de férias na praia, onde experimenta diversos mundos e se diverte entre a fantasia e a realidade. Um dia, o mar está cheio de algas tóxicas. A praia está imprópria! Será o fim do verão?
Classificação Indicativa: Livre

Chapada do Apodi, Morte e Vida

Apodi’s Plateau, Death and Life

Dir. Thiago Carvalho,

Brasil, 2013, 27’

A Chapada do Apodi fica na divisa entre Ceará e Rio Grande do Norte. Em 1989, o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) implementou um projeto de irrigação no lado cearense. A área foi ocupada por grandes empresas de fruticultura, desarticulando a produção de milhares de pequenos agricultores. Em 2013, um projeto semelhante está prestes a chegar ao lado potiguar da chapada, ameaçando 6 mil agricultores familiares.
Classificação Indicativa: Livre

As Ruas da minha Cidade

Las Calles De Mi Ciudad

Dir.Lucía Nieto Salazar,

Uruguai, 2012, 6’

Ela acorda, anda pela floresta; chega a uma cidade vazia, onde apenas o vento passa por suas ruas. Mais tarde, ela passa por outra cidade, esta habitada, mas ela está perdida. Perdeu-se de si mesma. Ela medita e se questiona, ela desaparece e reaparece. Finalmente ela volta para a floresta, onde ela se sente em paz.
Classificação Indicativa:Livre

 

Linear

Linear

Dir.Amir Admoni,

Brasil, 2012, 6

A linha é um ponto que saiu caminhando.
Classificação Indicativa:  Livre

Nahuas, 20 Anos Depois
Nahuas, 20 Años Después

Dir. Marc Gavaldà, Eduard Alter e JordiSalvadó,

Peru, Espanha, 2012, 26

Até 1984, o povo Nahua viveu dentro da selva amazônica, evitando qualquer contato com a civilização. A chegada da Shell e o desenvolvimento do projeto de extração de gás em Camisea trouxeram consequências graves para os seus habitantes e sua cultura.
Classificação Indicativa: Livre

Paal

Paal

Dir. Christoph Müller & Victor Vargas Villafuerte,

Méxio, Canadá, Suíça, 2012, 21

Memo é um garoto maia cujo maior sonho é contar as histórias de seu povo. Sob sua ótica e fantasia, exploramos o dia a dia e a cultura de sua cidade e a natureza exuberante da floresta de Yucatán, no sul do México.
Classificação Indicativa: Livre

O Último Mercador de Gelo

El Último Hielero

Dir.Sandy Patch,

Equador,2012, 14

Por mais de 50 anos Baltazar Ushca extraiu o gelo glacial do Monte Chimborazo, no Equador. Seus irmãos, ambos comerciantes de gelo, há muito se aposentaram da montanha. O Último Mercador de Gelo é uma história de mudança cultural e como três irmãos se adaptaram a ela.

Classificação Indicativa: Livre

 

 

Homenagem

 

Amazonas, a pátria da água

Dir. Washington Novaes,

Brasil, 1980, 52’

Em seu primeiro contato com o Xingu, região que voltaria diversas vezes ao foco de seu trabalho, Washington Novaes documenta os povos indígenas para a série Globo Repórter.
Classificação Indicativa: Livre

 

Xingu, a terra mágica – Episódio 1

Dir. Washington Novaes,

Brasil, 1984, 52’

Em 1984, Washington Novaes documentou cinco grupos indígenas na região do Xingu. O resultado foi a série “Xingu – A Terra Mágica”, exibida pela primeira vez em 1985 na TV Manchete, com grande sucesso e várias premiações.
Classificação Indicativa: Livre

 

Xingu, a terra ameaçada – Episódio 1

Dir. Washington Novaes,

Brasil, 2007, 52’

Em 2006, 22 anos após “Xingu, a terra mágica”, Washington Novaes retornou à região para documentar os mesmos grupos – Waurá, Kuikuro, Yawalapiti, Metuktire e Panará. O resultado foi “Xingu – A Terra Ameaçada”.
Classificação Indicativa: Livre

 

O desafio do lixo – Episódio 1

Dir. Washington Novaes,

Brasil, 2001, 55’

Com a incumbência de retratar o problema do lixo e mostrar as bem sucedidas experiências na busca de soluções para essa grave questão, Washington Novaes e a equipe da TV Cultura viajaram mais de 70 mil quilômetros pelas Américas e Europa para realizar a série “Desafio do Lixo”. O primeiro episódio da série se debruça sobre os Estados Unidos, com destaque para o esgotamento dos aterros sanitários, a coleta seletiva, a reciclagem e o lixo nuclear.
Classificação Indicativa: Livre

 

O desafio do lixo – Episódio 5

Dir. Washington Novaes,

Brasil, 2001, 53’

Com a incumbência de retratar o problema do lixo e mostrar as bem sucedidas experiências na busca de soluções para essa grave questão, Washington Novaes e a equipe da TV Cultura viajaram mais de 70 mil quilômetros pelas Américas e Europa para realizar a série “Desafio do Lixo”. O quinto episódio da série é focado na experiência brasileira com reciclagem de alumínio, metal, embalagens e baterias, bem como no destino dos afluentes rurais.
Classificação Indicativa: Livre

 

 

Serviço

 

3a Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

 

De 20 a 30 de março em São Paulo

 

SALAS: Cine Livraria Cultura, Reserva Cultural, MIS – Museu da Imagem e do Som, Centro Cultural São Paulo, Cine Olido, Cinusp Maria Antônia, Matilha Cultural

 

ENTRADA GRATUITA, (exceto no Centro Cultural São Paulo, que cobra uma taxa de manutenção de R$ 1,00).