Vencedores do Prêmio Eisner 2019

//Vencedores do Prêmio Eisner 2019

O Eisner Awards revelou na San Diego Comic-Con, os vencedores da mais tradicional premiação de histórias em quadrinhos.

Entre os destaques estão as HQs Dias Gigantes, que levou os prêmios de Melhor Série e Melhor Publicação de Humor, e Senhor Milagre, que venceu na categoria Melhor Minissérie e é desenhada por Mitch Gerards, que levou na categoria Melhor Arte-Finalista.

O grande vencedor da noite foi Tom King, atual roteirista da HQ do Batman, que recebeu pelo segundo ano consecutivo a estatueta de Melhor Roteirista e é autor dos quadrinhos que levaram os prêmios de Melhor História Curta, Melhor Minissérie, Melhor Álbum Gráfico de Republicação.

 


Lista completa de vencedores:

 

MELHOR HISTÓRIA CURTA

“The Talk of the Saints” por Tom King e Jason Fabok, em Swamp Thing Winter Special (DC Comics) – Vencedor

MELHOR HISTÓRIA EM EDIÇÃO ÚNICA

Peter Parker: The Spectacular Spider-Man #310, de Chip Zdarsky (Marvel) – Vencedor

MELHOR SÉRIE

Dias Gigantes, de John Allison, Max Sarin, e Julaa Madrigal (BOOM! Box) – Vencedor

MELHOR MINISSÉRIE

Senhor Milagre, de Tom King e Mitch Gerads (DC Comics) – Vencedor

MELHOR SÉRIE ESTREANTE

Gideon Falls, de Jeff Lemire e Andrea Sorrentino (Image) – Vencedor

MELHOR PUBLICAÇÃO INFANTIL (PARA CRIANÇAS DE ATÉ OITO ANOS)


Johnny Boo and the Ice Cream Computer, de James Kochalka (Top Shelf/IDW) – Vencedor

MELHOR PUBLICAÇÃO INFANTIL (DE 9 A 12 ANOS)

The Divided Earth, de Faith Erin Hicks (First Second) – Vencedor

MELHOR PUBLICAÇÃO JUVENIL (13 A 17 ANOS)

The Prince and the Dressmaker, de Jen Wang (First Second) – Vencedor

MELHOR PUBLICAÇÃO DE HUMOR

Dias Gigantes, de John Allison, Max Sarin, e Julia Madrigal (BOOM! Box) – Vencedor

MELHOR ANTOLOGIA

Puerto Rico Strong, editado por Marco Lopez, Desiree Rodriguez, Hazel Newlevant, Derek Ruiz, e Neil Schwartz (Lion Forge) – Vencedor

MELHOR NÃO-FICÇÃO

Is This Guy For Real? The Unbelievable Andy Kaufman, de Box Brown (First Second) – Vencedor

MELHOR ÁLBUM GRÁFICO (INÉDITO)

My Heroes Have Always Been Junkies, de Ed Brubaker e Sean Phillips (Image) – Vencedor

MELHOR ÁLBUM GRÁFICO (REPUBLICAÇÃO)

Visão capa dura, de Tom King, Gabriel Hernandez Walta, e Michael Walsh (Marvel) – Vencedor

MELHOR ADAPTAÇÃO DE OUTRA MÍDIA

“Frankenstein” de Mary Shelley, em Frankenstein: Junji Ito Story Collection, adaptado por Junji Ito (VIZ Media) – Vencedor

MELHOR EDIÇÃO AMERICANA DE MATERIAL ESTRANGEIRO

Brazen: Rebel Ladies Who Rocked the World, de Pénélope Bagieu (First Second) – Vencedor

MELHOR EDIÇÃO AMERICANA DE MATERIAL ESTRANGEIRO (ASIÁTICO)

Tokyo Tarareba Girls, de Akiko Higashimura (Kodansha) – Vencedor

MELHOR COLEÇÃO DE ARQUIVOS (TIRAS)

Star Wars: Classic Newspaper Strips, vol. 3, de Archie Goodwin e Al Williamson, editado por Dean Mullaney (Library of American Comics/IDW) – Vencedor

MELHOR COLEÇÃO DE ARQUIVO (QUADRINHOS)

Bill Sienkiewicz’s Mutants and Moon Knights… And Assassins… Artifact Edition, editado por Scott Dunbier (IDW) – Vencedor

MELHOR ROTEIRISTA

Tom King por Batman, Senhor Milagre, Heroes in Crisis e Swamp Thing Winter Special (DC Comics) – Vencedor

MELHOR ROTEIRISTA/DESENHISTA

Jen Wang por The Prince and the Dressmaker (First Second) – Vencedor

MELHOR ARTE-FINALISTA OU TIME DE ARTE-FINALISTAS

Mitch Gerads por Senhor Milagre (DC Comics) – Vencedor

MELHOR DESENHISTA/ARTISTA MULTIMÍDIA (PÁGINAS INTERNAS)

Dustin Nguyen por Descender (Image) – Vencedor

MELHOR CAPISTA

Jen Bartel por Blackbird (Image); Submerged (Vault) – Vencedor

MELHOR COLORISTA

Matt Wilson por Black Cloud, Paper Girls, The Wicked + The Divine (Image); O Poderoso Thor, Fugitivos (Marvel)

MELHOR LETRISTA

Todd Klein por Black Hammer: Age of Doom e Neil Gaiman’s A Study in Emerald (Dark Horse); Batman: Cavaleiro Branco (DC Comics); Eternity Girl e Livros da Magia (Vertigo/DC Comics); The League of Extraordinary Gentlemen: The Tempest (Top Shelf/IDW) – Vencedor

MELHOR QUADRINHO RELACIONADO A JORNALISMO

Back Issue editado por Michael Eury (TwoMorrows) – Vencedor

MELHOR LIVRO SOBRE QUADRINHOS

Drawn to Purpose: American Women Illustrators and Cartoonists, de Martha H. Kennedy (University Press of Mississippi) – Vencedor

MELHOR TRABALHO ACADÊMICO

Sweet Little C*nt: The Graphic Work of Julie Doucet, de Anne Elizabeth Moore (Uncivilized Books) – Vencedor

MELHOR DESIGN DE PUBLICAÇÃO

Will Eisner’s A Contract with God: Curator’s Collection, design de John Lind (Kitchen Sink/Dark Horse) – Vencedor

MELHOR QUADRINHO DIGITAL

Umami, by Ken Niimura (Panel Syndicate) – Vencedor

MELHOR WEBCOMIC


The Contradictions, de Sophie Yanow – Vencedor

 

Entre 1985 e 1987, a editora Fantagraphics Books promoveu o Kirby Awards, uma premiação dedicada à indústria dos quadrinhos e com os vencedores recebendo seus prêmios sempre com a presença do artista Jack Kirby.

As edições do Kirby Awards eram organizadas por Dave Olbrich, um funcionário da editora. Em 1987, com a saída de Olbrich, a Fangraphics decidiu encerrar o Kirby Awards e instituiu o Harvey Awards, cujo nome é uma homenagem à Harvey Kurtzman.

Olbrich, por sua vez, fundou no mesmo ano o “Will Eisner Comic Industry Awards”.

Em 1988, a primeira edição do prêmio foi realizada, no mesmo modelo até hoje adotado: Um grupo de cinco membros reune-se, discute os trabalhos realizados no ano anterior, e estabelece as cinco indicações para cada uma das categorias, que são então votadas por determinado número de profissionais dos quadrinhos e os ganhadores são anunciados durante a edição daquele ano da Comic-Con International, uma convenção de quadrinhos realizada em San Diego, Califórnia.

Por dois anos o próprio Olbrich organizou a premiação até que, ao ver-se incapaz de reunir os fundos necessários para realizar a edição de 1990 – que acabou não ocorrendo – ele decidiu transferir a responsabilidade para a própria Comic-Con, que desde 1990 emprega Jackie Estrada para organizá-lo

2019-07-20T12:58:47-03:00