Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida está fazendo 32 anos desde que foi exibido pela primeira vez. Indiana é um filme americano de 1981 dirigido por Steven Spielberg e estrelado por Harrison Ford. O primeiro filme da franquia Indiana Jones coloca o aventureiro contra os nazistas, que estão procurando a Arca da Aliança, porque Adolf Hitler acredita que ela fará o exército alemão invencível.

O filme é co-estrelado por Karen Allen como a antiga namorada de Indiana, Marion Ravenwood; Paul Freeman como o nêmesis de Indiana, o arqueólogo francês René Belloq, John Rhys-Davies como o aliado de Indiana, Sallah, e Denholm Elliott como o reitor e amigo de Indiana, Marcus Broody.

O filme se originou do desejo de George Lucas de criar uma versão moderna dos seriados das décadas de 1930 e 1940. A produção ocorreu no Elstree Studios, Inglaterra; porém as filmagens ocorreram em La Rochelle, Tunísia, Havaí e na Califórnia de junho à setembro de 1980.

Lançado em junho de 1981, Raiders of the Lost Ark se tornou o filme de maior sucesso do ano de 1981. Foi indicado para oito Oscars em 1982, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor (Spielberg, vencendo quatro (Melhor Direção de Arte, Melhor Edição, Melhor Mixagem de Som e Melhores Efeitos Visuais) como também um quinto Oscar Especial para Edição de Efeitos Sonoros.

O sucesso de crítica e bilheteria levou a outros três filmes, Indiana Jones and the Temple of Doom (1984), Indiana Jones and the Last Crusade (1989) e Indiana Jones and the Kingdom of the Crystall Skull (2008), como também uma série de televisão The Young Indiana Jones Chronicles (1992-1996) e 15 jogos eletrônicos. Em 1999, o filme foi selecionado para preservação pelo National Film Registry da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, sendo considerado “culturalmente, historicamente ou esteticamente significante”.

Tudo que você queria saber sobre Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida

Curiosidades:

  • A ideia para o filme surgiu enquanto Lucas e Spielberg construíam castelos de areia em uma praia do Havaí. Spielberg queria fazer um filme ao estilo de James Bond, mas Lucas tinha uma ideia melhor: um filme chamado Raiders of the lost ark.
  • O nome original do nosso herói seria Indiana Smith. O sobrenome só mudou no primeiro dia de produção, quando Steven Spielberg disse a George Lucas que o nome não soava muito bem e sugeriu substituí-lo por Jones.
  • Lucas começou a idealizar o personagem em 1973 com um argumento chamado As aventuras de Indiana Smith, inspirado nas séries Buck Rogers e Flash Gordon.
  • George Lucas pediu a Philip Kaufman, diretor de Vampiros de almas, de 1978, para desenvolver um roteiro. Kaufman inspirou-se na lenda da Arca Perdida dos Dez Mandamentos, que seu ortondontista havia lhe contado quando ele tinha apenas 11 anos. Kaufman também foi cotado para dirigir o filme.
  • Muita gente sabe que Tom Selleck, e não Harrison Ford, era a primeira opção para interpretar Indiana Jones. Mas você sabia que Nick Nolte, Steve Martin, Bill Murray, Chevy Chase, Tim Matheson, Nick Mancuso, Peter Coyote e até Jack Nicholson também foram cotados para o papel? E que Jeff Bridges foi chamado, mas recusou a proposta?
  • Harrison Ford só foi escalado menos de 20 dias antes do início das filmagens.
  • Amy Irving (que casaria com Spielberg em 1985) e Debra Winger foram consideradas para o papel de Marion. Sean Young interpretou Marion nos testes de vídeo em todas as audições para Indiana Jones. No ano seguinte, Young estrelaria Blade Runner ao lado de Harrison Ford.
  • O nome de Sallah significa ”broto”, o que provavelmente se devia ao fato de que Danny DeVito faria o papel, em vez de John Rhys-Davies.
  • O papel do interrogador nazista Toht foi oferecido originalmente a Klaus Kinski, que preferiu aparecer no filme de terror Venom, porque o salário era melhor. Spielberg então escolheu Ronald Lacey, porque ele lembrava Peter Lorre.

 

  • A jaqueta de couro puída usada por Indy na verdade era novíssima. A figurinista “envelheceu” cada jaqueta (eram dez no total) com uma escova de metal e um punhal. Já o chapéu fedora que virou a marca registrada do personagem foi comprado na famosa rua Savile Road, em Londres. Vários membros da equipe – incluindo o próprio Ford – se revezaram para sentar em cima do chapéu para que ele tivesse a aparência de gasto.
  • Na clássica tomada de abertura do filme, a montanha da logomarca da Paramount se funde a uma montanha real, que é o monte Kalalea, da ilha de Kaua’i, no Havaí.
  • Os Caçadores da Arca Perdida marcou a estreia do ator Alfred Molina nos cinemas. Em sua primeira cena, ele aparece rodeado de tarântulas. As aranhas, que deveriam se amontoar de forma amedrontadora, não se moviam. O motivo: eram só machos. O problema só foi resolvido quando uma fêmea foi colocada sobre o peito de Molina e todas as outras aranhas começaram imediatamente a subir sobre ele.
  • A pedra gigante foi uma ideia de Spielberg e teria sido inspirada em um desenho animado de Scrooge McDuck, chamado The Seven Cities of Cibola, em que um ídolo é tirado de seu pedestal, liberando uma pedra gigante que quase esmaga o ladrão.
  • No livro escrito a partir do filme, é revelado que Marion tinha apenas 14 anos quando se envolveu com Indy pela primeira vez, o que contextualiza bem sua fala no longa: “Eu era uma criança. Era errado!”.
  • Também no livro, Marcus Brody encontra Indy de roupão em sua casa porque ele tinha acabado de se encontrar com uma estudante (provavelmente a garotta que escreve “I love you” em suas pálpebras no filme).
  • O lutador britânico Pat Roach morre duas vezes no filme. Primeiro como um nepalês grandalhão que morre no bar e depois como o mecânico alemão que é sugado pela hélice de um avião.
  • O mesmo ator que fez o guia de Indy que tenta matá-lo na floresta também interpretou o dono do macaco que usa um tapa-olho no Cairo.
  • Quando todo mundo no set da Tunísia teve disenteria, somente Spielberg não ficou doente. Isso porque ele só comia macarrão enlatado.
  • O som das serpentes se movendo foi criado pelo designer de som do filme ao passar os dedos por uma caçarole. E o som da pesada tampa da arca sendo levantada foi tirado do som da tampa de uma privada sendo aberta. Ele também econtrou o efeito sonoro perfeito para a pedra rolante ao colocar um Honda Civic descendo uma encosta de cascalhos.
  • A cena em que o macaco faz a saudação “Heil Hitler” teve 50 takes. Uma uva foi presa a uma linha de pesca fora do alcance da câmera para fazer com que o macaco fizesse a “saudação”.
  • Para economizar no orçamento, Spielberg comprou imagens antigas: o avião DC-3 voando sobre o Himalayas é do filme Lost Horizon, de 1973, e a cena de rua ambientada nos anos 1930 foi tirada do filme The Hindenburg, de 1975.
  • As serpentes da sequência do Poço das Almas não só não tinham medo de fogo como ficavam se aproximando das chamas para se aquecerem. Em um momento, Spielberg pegou uma das cobras e disse: “Vocês estão estragando meu filme”. Spielberg também admitiu que se sentia nauseado ao ver as serpentes.
  • O set do Poço das Almas é o mesmo do quarto de hotel em que Jack Nicholson escreve em O Iluminado.
  • Harrison Ford realmente estava sentindo dor a bordo do avião de carga quando Marion tenta encontrar um lugar do corpo que “não doa”. Ele tinha machucado as costelas na cena em que é arrastado pelo caminhão e rompido um ligamento do joelho quando o avião da cena de luta com o alemão careca passou por cima de seu joelho esquerdo.
  • O desfiladeiro onde Indy ameaça explodir a arca é o mesmo para onde R2-D2 em Star Wars.
  • Você provavelmente já sabe que os robôs R2-D2 e C-3PO aparecem em hieroglifos na cena do Poço das Almas. Lucas colocou outras “pegadinhas” escondidas no filme: quando Indy sai do submarino nazista, é possível ouvir pelo alto-falante “ein, ein, drei, acht’ (“um-um-três-oito” em alemão) e o avião do amigo de Indy no começo do filme tem a inscrição “OB-CPO”.

 

  • Como Indy sobrevive ao mergulho do submarino? Filmaram uma cena em que ele se prende ao periscópio com seu chicote. A princípio, a cena teria sido cortada por problemas de continuidade, já que Indy deixou seu chicote amarrado no caminhão nazista.
  • De acordo com o livro, a inscrição no cajado de Ra trazia uma advertência para que não se olhasse para o interior da arca. Foi por isso que Indy soube evitar o mesmo destino que recaiu sobre os nazistas.
  • Nos Estados Unidos, o longa originalmente recebeu a censura R, em que menores de 17 anos só podem assistir ao filme acompanhados de um responsável, por conta da cena da morte de Belloq. Para conseguir a classificação PG (que apenas avisa sobre um possível conteúdo inapropriado, mas não proíbe a entrada de menores), Spielberg sobrepôs imagens de chamas sobre a cena da explosão da cabeça de Belloq.
  • Em uma das primeiras versões do roteiro, Indiana Jones viajava para Xangai para recuperar uma peça do cajado de Ra. Duas sequências ambientadas em Xangai – uma perseguição numa mina e Indy usando um gongo para se defender de um tiroteio – foram usadas em Templo da Perdição.